quarta-feira, 28 de outubro de 2009

As Sereias da Estante


“Do que vale tanta leitura se a memória é fraca?”.
Pensou, que este seria um ótimo começo para um romance. Uma sentença simples, direta e significativa. Um verdadeiro epitáfio para qualquer ambição humana de se marcar para posteridade.
Estava em meio à leitura de um livro que já havia começado um par de vezes. Prometeu a si mesmo nada mais de digressões e virou outra página.
As palavras não convenciam sua compreensão.
Acabou ficando ali parado. Indo e voltando na mesma frase do escritor fabuloso. Não estava mais atento o suficiente. E era um destes romances que mais que lidos, devem ser decifrados. Broxara.
Ficou com vontade de dizer ao livro:
- Desculpe, mas isso nunca aconteceu comigo antes...
Riu.
“Do que vale tanta leitura se a memória é fraca?”
A frase se repetiu em sua cabeça como um pretexto para que largasse a leitura. Uma voz de sereia fazendo com que emergisse em pensamentos mais distantes. Naufragava ao sabor das palavras e se deixava levar. Já que estava ali, nas profundezas, resolveu explorar.
Vasculhou na sua memória o primeiro livro que havia lido. Nada.
Olhou sua estante. Um orgulho. Títulos e mais títulos. Tentou fazer um resumo mental de cada um dos exemplares. A cada três, um simplesmente era novamente inédito. Mesmo folheando algumas páginas se perguntava quem eram aquelas pessoas, lugares e códigos.
Entristeceu.
“Do que vale tanta leitura se a memória é fraca?”
Lembrou que na biblioteca de Moscou, eram mais de um milhão de exemplares. Nas suas contas mentais, mesmo devorando um livro por semana, durante 20 anos não chegaria a 4.000. Com esforço a 6.000. Pouco, nada, era um insignificante.
Enfureceu.
“Do que vale tanta leitura se a memória é fraca?”
Foi indo e vindo. Do escritório para o jardim da casa. Vai e volta e logo as estantes estavam vazias. Todos os livros formavam uma pilha generosa sobre o gramado. Ao lado deles em outro monte, madeiras, estopa e jornais. Fósforo, brasa, chamas, labaredas.
Sem nenhum ritual mais elaborado começou a queimar um a um, cada exemplar. Folheava as três primeiras páginas, olhava a sua capa e atirava na fogueira. No começo com alguma mágoa, depois com um certo sabor de vingança.
A única coisa que realmente lamentava é que aquela frase, a que havia achado tão boa, fugira completamente da sua memória.

#

13 comentários:

Schueler disse...

Cara, eu ia comentar o seu texto citando um trecho de um livro que lí ano passado... mas não consigo lembrar...
Que coisa!!
Do que vale tanta leitura se a memória é fraca?

29 de outubro de 2009 12:32
gutograca disse...

Sobre o valor da leitura se a memória é fraca, bem invertendo o ler pelo escrever...
O que escrevo, esqueço.
O que não escrevo, não lembro.
Abração,
GG

29 de outubro de 2009 22:28
-rayane- disse...

Nossa, muito bom! Me identifiquei, minha memória é a pior que existe, quem me dera que fosse apenas "fraca". Muito bom, andei sumida por aqui e vc por lá!
Mas continua sendo um dos melhores lidos qnd passo pelos blogs da vida!
abraços

30 de outubro de 2009 21:08
Eliane Furtado disse...

Não vou comentar o texto hoje. Passei só para dizer que adorei rever você.
Olha o nosso GG aí! Turma boa!

9 de novembro de 2009 16:38
Meuryenne disse...

Você me leva à loucura com seus textos.
Já é um de meus escritores favoritos.
Juro.

A memória é fraca, mas o coração não. ;D

15 de novembro de 2009 15:11
Marton Olympio disse...

Se puderem visitem meu novo Blog: http://meufilme.wordpress.com/

beijos a todos.

19 de novembro de 2009 10:56
De acordo com disse...

Mto bom o seu espaço, parabéns!
Já estão no 'mistão' do meu blog!
Adorei!
Abraço!

19 de novembro de 2009 22:45
Pamela disse...

Adoreei seu texto, achei ele ótimo. Adoraria falar algo agora sobre ele, mas vou ter que ler novamente, porque ja me esqueci.
“Do que vale tanta leitura se a memória é fraca?” .

22 de novembro de 2009 18:56
Eliane Furtado disse...

Hoje vou comentar: ótima memória, escrevo e guardo tudo. Tudo. Por enquanto.

24 de novembro de 2009 12:56
Dayne S. disse...

Adorei o texto, alias, esse e outros...
Melhor, adorei o Blog todo, desde o titúlo...
Não pude comentar na primeira vez pq estava atrasada, mas sempre dou meus palpites!

O sigo com fé ;)

Beijos ;*

28 de novembro de 2009 23:49
Alex disse...

Muito bom texto, estou linkando para meu blog tdo bem?
Aceita parcerias entre blogs?

9 de abril de 2010 21:34
Melhor Free disse...

Muito bom!

18 de abril de 2010 16:06
Geiza Maria disse...

Não dá pra sair impune das suas obras, entro em transe...essa foi o meu 11/11/11. Maravilhoso. Parabéns!

11 de novembro de 2011 19:23

Marcadores

3G (1) A Fábula do Pé Sujo (1) A Fábula do Pé Sujo. (1) A Lápide (1) A Tal da Portabilidade (1) A Unidos dos Dois na Sala (1) A Virada do Ano (1) aeromoça (1) aladin (1) Amor a primeira vista (2) amores impossíveis (1) ano novo (1) Arrumação (Em Cadeados) (1) As Cores Dela nas Paredes da Cabeça Dele (1) As Sereias da Estante (1) Assalto (1) assassinato (1) Até que a morte nos separe. (2) avião (1) Bacon (1) barrinha e cereal (1) Bonecas (2) Cabeça (1) cachorro (1) Cadê Deni”zs”e? (1) Caixa Preta (1) caos aéreo (1) carros (1) casa de malucos (1) cereser (1) Céu de Cereal (1) circo (1) Com Deus Só a Vista. (1) concurso (1) construir (1) conto (17) Conto de amor (1) Contos do Rio (4) Copa do Mundo (1) Copacabana (1) Coração Roubado (1) Cortazar (1) cronica (1) Crônica (1) Crônicas (1) desejo (1) Dia de Mãe (1) Dia dos Namorados (2) ditos (1) Do Frio e Branco Azulejo (1) Do Ponto de Vista da Inveja (2) Dos seus saltos (1) Encontros (1) engarrafamento (1) Engolir Palavras (1) espumante (1) Existe Vida após a Morte. (1) fantasia (1) farol (1) Fred (1) Fundo do Poço (1) gênio (1) Ginger (1) Hamburguer (1) humor (6) Idéias (1) Kama $utra (1) lâmpada (1) linchamento (1) luz no fim do túnel (1) Mãe (1) Mãe e Filha (1) manicômio (1) Maradona (1) Marias Chuteiras (1) Me acertou em cheiro (1) menage (1) Mentirinha (1) Mil e uma noites (1) Moleque de Rua (1) Musical (1) O Buraco (1) O Cão de olhos com brilho de diamantes (1) O Engolidor de Palavras (2) O Gênio Ombudsman (2) O Globo (1) O Homem que Não Queria Ir a Copa do Mundo (1) O Que Não é Mais Gente (1) O T da Questão (1) O Último Dia (1) obra (1) Obras (1) orelhão (1) Os cílios postiços dos postes da avenida (1) pão doce (1) Passatempo (1) Pensamento (1) pião (1) poema (7) poesia (6) Portabilidade (2) prosa (1) Quando Ela Perguntou a Ele se estava caindo (1) revertere ad locum tuum (1) rosquinha (1) Saindo do armário (2) Sobre a última Estação. poesia (1) soco (1) sonha-me (1) suruba (1) swing (1) Técnico de Futebol (1) tecnologia (1) Teu Esmalte (1) Teu jogo (1) Top Blog (1) Traição (1) troca de casal (1) trocando de mulher (1) Ursula Andrews (1) Vida (2) vida de cão (1) Vida de Operário (1) Vida. (1) Vingança na carne (1) violência (1)