sexta-feira, 10 de outubro de 2008

A Virada do Ano

E lá ia o Almeida caminhando de um lado para o outro.
A taça de champanhe tremia em suas mãos e ele via tudo através de uma neblina fina.
A batida de amendoim havia descido melhor que aquela Espumante. O que tinha demais a velha Cidra? A mulher dizia que não. Na posição em que eles estavam uma Cereser pegava mal.
Quantos anos-novos foram regados a Cereser? Quantos? Uns 30.
Depois veio a vendinha, que virou padaria, uma filial, duas, três. E Copacabana, Prado Júnior, cobertura e todos novos amigos que alguns trocados trazem.
Não foi assim tão rápido, mas pra ele foi.
A cabeça girava. Almeida olhou para a varanda e não teve coragem de se aproximar. Afinal, metade das pessoas que se acotovelavam para ver o mar e os fogos, ele não conhecia dos tempos da Cereser. Era gente que veio junto com a Espumante, com a Prado Júnior, com a cobertura. Agora, apinhada. Copacabana se arreganhava como as moças que lá ganham a vida, mais bela e branca do que nunca. Queria ver amanhã, só os bêbados, flores e promessas espalhadas pela areias.
Já ia dar meia-noite e a euforia tomava conta de todos.
A Espumante não conseguia tirar o cheiro da batida de amendoim dos bigodes de Almeida. Mais um gole longo, outro, outro. Não era só virada de ano, era virada de século. O bug do milênio, o fim dos tempos, Nostradamus, uma odisséia no espaço.
Almeida encarou o seu relógio de pulso e viu os últimos 5 segundos do ano passarem a ponteiradas.
5.
Adeus ano velho...
4.
Feliz ano novo...
3
Que tudo se realize...
2
No ano que vai nascer...
1
Muito dinheiro no bolso...
0
- EU SOU GAY!

Os fogos explodiam lá fora em meio ao silêncio absoluto na varanda do apartamento. Todos em uma coreografia olharam para Almeida. Mulher, filhos, netos, amigos Cereser e Amigos Espumantes olharam para Almeida.
- Rei de que Almeida? Rei de que? – disse um.
- Não é Rei, é gay! – Outra voz.
- Gay é você! – Um terceiro.
- Não, gay é o Almeida. – Sempre tem um espirituoso.

Sem notar Almeida empunhava o microfone do Karaokê.
Nem Almeida acreditou no que havia dito.
Quer dizer, acreditar ele acreditava, pois sabia disso fazia tempo, mas não acreditava que havia dito. E compelido de uma força maior que ele repetiu.
- Eu sou gay!

O cunhado se aproximou.
- Porra Almeida! Falei pra não abusar da batida... – O Cunhado tenta tirar o microfone das mãos de Almeida.

Ele puxa com força. Todos fazem um “óHHHHHH”.
- Gaaaaaay! – Repete Almeida colado a boca de ferro, com direito a delay.
O cunhado se atraca com Almeida tentando pegar o microfone.

Vez por outra Almeida aproxima o microfone da boca e afirma: GAY! Os fogos ainda pipocam no ar como uma celebração a revelação de Almeida.
Todos correm para apartar. Raimundo, um padeiro novato, nos seus 30 anos, entra na briga aos berros.
- Solta ele Pão-doce! Solta ele!

Todos se afastam intrigados. Raimundo pega Almeida gentilmente em seu colo e o coloca de pé. Ajeita sua roupa carinhosamente, dando tapinhas pelo seu corpo.

- Pão doce? – disse um.
- O que doce? – Outra voz.
- Tampa os ouvidos da criança! – Uma terceira, maldosa.

Almeida encarou a todos, mulher, filhos, parentes, cereseres, espumantes... Olhou Raimundo nos olhos e um contraluz dourado surgiu, vindo de um dos fogos da praia, emoldurando o rosto de seu parceiro. Raimundo sorriu cúmplice para seu Pão Doce.
- Te amo Rosquinha! – Murmurou Almeida.

Os dois se entrelaçaram e em meio aos fogos e as gritarias vindas da praia, deram um longo, apaixonado e molhado beijo.
E ninguém se atreveu a perguntar porque Rosquinha.

5 comentários:

pajuaba disse...

Vou te mandar um e-mail dia 31, dizendo para ficar longe do espumante - e por via das dúvidas, das padarias!! ;-)
Parabéns, velho, bom mini-conto. Gostei.

12 de outubro de 2008 16:50
Leandro Monteiro disse...

Tirando a boiolagem, muito boa história, mas ouso perguntar aquilo que eles não tiveram peito pra questionar, porque rosquinha?

12 de outubro de 2008 22:35
Geiza disse...

Doce demais esse conto...Vejo até o bigode sujo de batida a la Fred Mercury. O rosquinha é negão?

19 de outubro de 2008 19:14
Zaray disse...

Martonews

Você esqueceu de contar aos teus leitores que existem contos complementares deste teu. Um meu, um do Sici e um do Duda.

Mas o teu ficou muito bom!
Tiro na Nuca!

10 de novembro de 2008 14:02
Menina do Rio disse...

E quem se atreveria a perguntar? Nem precisava...
Quase me mijei de tanto rir!
Hilário!

Um beijo

3 de dezembro de 2008 20:43

Marcadores

3G (1) A Fábula do Pé Sujo (1) A Fábula do Pé Sujo. (1) A Lápide (1) A Tal da Portabilidade (1) A Unidos dos Dois na Sala (1) A Virada do Ano (1) aeromoça (1) aladin (1) Amor a primeira vista (2) amores impossíveis (1) ano novo (1) Arrumação (Em Cadeados) (1) As Cores Dela nas Paredes da Cabeça Dele (1) As Sereias da Estante (1) Assalto (1) assassinato (1) Até que a morte nos separe. (2) avião (1) Bacon (1) barrinha e cereal (1) Bonecas (2) Cabeça (1) cachorro (1) Cadê Deni”zs”e? (1) Caixa Preta (1) caos aéreo (1) carros (1) casa de malucos (1) cereser (1) Céu de Cereal (1) circo (1) Com Deus Só a Vista. (1) concurso (1) construir (1) conto (17) Conto de amor (1) Contos do Rio (4) Copa do Mundo (1) Copacabana (1) Coração Roubado (1) Cortazar (1) cronica (1) Crônica (1) Crônicas (1) desejo (1) Dia de Mãe (1) Dia dos Namorados (2) ditos (1) Do Frio e Branco Azulejo (1) Do Ponto de Vista da Inveja (2) Dos seus saltos (1) Encontros (1) engarrafamento (1) Engolir Palavras (1) espumante (1) Existe Vida após a Morte. (1) fantasia (1) farol (1) Fred (1) Fundo do Poço (1) gênio (1) Ginger (1) Hamburguer (1) humor (6) Idéias (1) Kama $utra (1) lâmpada (1) linchamento (1) luz no fim do túnel (1) Mãe (1) Mãe e Filha (1) manicômio (1) Maradona (1) Marias Chuteiras (1) Me acertou em cheiro (1) menage (1) Mentirinha (1) Mil e uma noites (1) Moleque de Rua (1) Musical (1) O Buraco (1) O Cão de olhos com brilho de diamantes (1) O Engolidor de Palavras (2) O Gênio Ombudsman (2) O Globo (1) O Homem que Não Queria Ir a Copa do Mundo (1) O Que Não é Mais Gente (1) O T da Questão (1) O Último Dia (1) obra (1) Obras (1) orelhão (1) Os cílios postiços dos postes da avenida (1) pão doce (1) Passatempo (1) Pensamento (1) pião (1) poema (7) poesia (6) Portabilidade (2) prosa (1) Quando Ela Perguntou a Ele se estava caindo (1) revertere ad locum tuum (1) rosquinha (1) Saindo do armário (2) Sobre a última Estação. poesia (1) soco (1) sonha-me (1) suruba (1) swing (1) Técnico de Futebol (1) tecnologia (1) Teu Esmalte (1) Teu jogo (1) Top Blog (1) Traição (1) troca de casal (1) trocando de mulher (1) Ursula Andrews (1) Vida (2) vida de cão (1) Vida de Operário (1) Vida. (1) Vingança na carne (1) violência (1)