sexta-feira, 17 de julho de 2009

Do Ponto de Vista da Inveja


Laboratório. Noite. Pipetas, buretas, tubos de ensaio, almofarizes e azulejos. Muitos.

Um branco enorme e uma assepsia de uma clareza de semi-nova.

Ele, o rato de laboratório, passava o bigode por dentro de sua gaiola, em todos os cantos, com aquela inquietação mesquinha dos roedores. Para cá e para lá.

Os olhos, apenas órbitas pretas, pareciam flutuar, soltos em meio aos pelos de uma brancura inocente. Como os que têm as almas boas e puras. Ou os cínicos.

O outro, o rato de esgoto, apareceu de uma fenda, um buraco, um lapso fedorento daquela alvura toda. Um deslize em toda ordem lógica do lugar.

Tudo tem sua brecha. Todo mundo.

Surgiu do seu jeito encardido, seboso, viscoso, fedorento. De uma cor de terra suja, carregando suas doenças e rejeição. De iguais os ancestrais e a mesma mesquinhez de movimentos.

Roedores parecem àquelas pessoas que comem solitárias em bancos de praças.

Em pequenas dentadas. Escondendo nas mãos seus alimentos, num misto de vergonha e egoísmo. Depois relegam as suas migalhas aos pombos amaldiçoando o mundo em que animais estúpidos podem voar.

Dois ratos, dois mundos. Que se encaram.

O rato laboratório queria aquela liberdade.

O rato de esgoto queria aquela comida fácil.

O primeiro queria ser marrom e ganhar o medo das pessoas. E atacar depois.

O segundo queria ser branquinho para poder se aceito. E atacar depois.

Um e seus vírus de laboratório. Inoculado, testado, experimentado. Mas um na cadeia de produção, cobaia ou apenas um reflexo do que somos.

Outro e todas as pestes ancestrais. Largado, aviltado, desprezado, perseguido. Vivendo em meio ao lixo, restos, excrementos. Ninhada de semelhanças com aqueles que dormem em camas.

E os olhos brilhavam negros enquanto desejavam. A boca enchendo de água só de pensar na vida do outro.

Os olhares se cruzavam, debatiam, confrontavam. Podiam ficar ali secando um ao outro para sempre, por mil anos.

Como a vida, o primeiro precisava ser o segundo.

O segundo necessitava ser o primeiro.

Uma liberdade de esgoto? Ou um cárcere farto?

A dúvida é vizinha da inveja na rua das escolhas.



#

98 comentários:

Carlos disse...

o que parecia possuir somente o cartesianismo descritivo de um roteiro vai asssumindo, em escala crescente, o perfil de uma metáfora poética e a realidade se confunde com a ficção na dualidade de verdades/desejos... e me reporto a Pessoa: é realmente o poeta um fingidor?
em dado momento me sinto expectador da saga de João e José em "Domngo no Parque" e só por isso me decepciono com o final pouco trágico... mas totalmente conclusivo.
não sei se acompanho o aperfeiçoamento de um roteirista, o desabrochar de um poeta ou expressão da alma de um contador de histórias...
fato é que a coisa tem melhorado.
dia após dia.
abs
Koehler

17 de julho de 2009 12:18
KaKa Fuinha disse...

vc num tem ideia de como eu amo sua maneira de expor ideia...

adorei o texto

simplesmente adorei

a frase final então, nem se fala

xD

17 de julho de 2009 12:30
Schueler disse...

Quiiiiiiikkkkkkkkkkkkkk!!!!!!!!!!
Sensacional.
Arnaldo Pessoa ou Fernando Antunes.
Estrapolados, claro.
Miuito bom.
Muito quadrinho.
Muito video.
Muito muito.
Mandou muito.

17 de julho de 2009 13:19
kbritovb disse...

caraca valeu a pena esperar mto mto bom
principalmente o final parabéns

17 de julho de 2009 17:13
Diego Janjão disse...

Meu,seus textos são incomuns...

taí o segredo do sucesso do seu blog!

vc manda muito bem...

me segue lá no TWITTER q eu vou te seguir tb!

TWITTER

http://twitter.com/diegojanjao

17 de julho de 2009 17:28
Pai da Yasmim disse...

Uma obra prima!!!

Seguindo!!

17 de julho de 2009 17:40
Camis disse...

Inveja pra mim é sinonimo de incapacidade, incapacidade de ir lá e fazer.

www.teoria-do-playmobil.blogspot.com

17 de julho de 2009 17:56
Quer mudar? Comece por você! disse...

Super intessante o texto e seu blog é incrivel.
Parabéns!

17 de julho de 2009 17:58
Marcos Lima disse...

A eterna dualidade das coisas. De um lado os bem favorecidos, com a comida fácil e a cor aceita pela sociedade. De um outro o aparente invejoso com a vontade intrínseca de ser o outro, custe o que custar, para ser aceito na sociedade e poder se alimentar.

Magnífica comparação entre o mundo dos homens e mundo dos ratos. Ou seríamos homens de laboratório?

Abraços
http://senhor-do-tempo.blogspot.com/

17 de julho de 2009 17:58
A.C Once Caldas - SM disse...

Cara gostei demais da parte final como todos o texto, muito bala mesmo, parabens

17 de julho de 2009 18:08
Newton Flamarion disse...

muito bom

17 de julho de 2009 18:15
Pedro Amaral disse...

ótimo texto, fora de série, Parabéns

17 de julho de 2009 18:23
Pedro Amaral disse...

ótimo texto, fora de série, Parabéns

17 de julho de 2009 18:23
Vivica disse...

Até ler teu conto só tinha pensado nos ratos sob o ponto de vista da nojeira! HAHAHAAHAHAHHA

Como já comentaram aí, teus textos misturam a ficção com o nosso dia-a-dia. Tudo de bão!

Abs.

17 de julho de 2009 18:25
Igor Amorim. disse...

véy, seu jeito de escrever é fascinante..
adorei o texto.
parabéns pelo blog.
e obrigado pelo comentário no meu blog.

abraços

17 de julho de 2009 18:32
Adm. Marcelo Leite disse...

kkkkkk
é verdade.
boa reflexão!

17 de julho de 2009 18:36
dominiomarinho disse...

Muito bom o texto, bastante profundo, uma ótima maneira de expor teu ponto de vista. Realmente muito bom, parabéns

17 de julho de 2009 18:43
danisiinha disse...

primeiro o texto é de uma maestria que vc domina , meu caro..
segundo , hoje , prefiro muito a liberdade de um esgoto ! a liberdade....
amei querido...

17 de julho de 2009 18:46
KINHA disse...

Estou aqui para fazer-lhe uma proposta, que eu considero interessante.Também sou TOP 100 e estou concorrendo na categoria "VARIEDADES" e estou na campanha "UM VOTO POR UM VOTO".O legal disso tudo é essa interação,eu conheço seu blog e vc, o meu.
Já votei no seu e sei que também que receberei seu voto.
Estou te seguindo e se quiseres me seguir, ficarei honrada.
Obrigada

17 de julho de 2009 18:49
JaCoNa disse...

Vc tem um estilo bem próprio de escrever.... Um estilo interessante e talx! Não é muito minha pegada (esse texto pelo menos) , mas admiro seu trabalho! Parabéns

17 de julho de 2009 19:08
Arthur A. Melo. disse...

muito bom o texto.
parabéns.
criativo

17 de julho de 2009 22:36
Arthur A. Melo. disse...

muito bom o texto.
parabéns.
criativo

17 de julho de 2009 22:37
JúNiOr_DeSeNhO disse...

"O Jardim do vizinho é sempre mais bonito"

Ótimo texto.

17 de julho de 2009 22:48
Marlene Olympio disse...

Parabéns, gostei do texto e da reflexão que ele nos traz.Resume tudo aquilo que desejamos ser na ilusória inveja em que vive o ser humano, as vezes boa inveja, as vezes a má inveja. Vá em frente.

17 de julho de 2009 22:59
LCM! disse...

Gostei muito do seu texto... você expõe suas ideias de maneira diferente, interessante!



- -
Visite também
http://arialdoze.blogspot.com/

17 de julho de 2009 23:14
Adriano Viana disse...

Sempre algo bem diferente!! Parabéns!!

18 de julho de 2009 03:03
Kelly Christi disse...

Sempre metafórico e surpreendente.

bjitos

http://www.peqeunosdeleites.blogspot.com

18 de julho de 2009 10:39
Tiago Dadazio disse...

DANCE SE QUISER DANÇAR!

18 de julho de 2009 13:20
Rodrigo Selback disse...

parabéns instigante excelente texto

18 de julho de 2009 13:27
Blog da Satine disse...

somos seres humanos vivendo como ratos? com ambições de ratos e inveja de ratos?

nao me parece distante esta hipótese!

poderia ter usado ao invés dos roedores os nomes e sobrenomes de alguns indivíduos que andam em duas patas...nao seria dificil..

perfeito como sempre.

bjs

18 de julho de 2009 13:59
Tiago Dadazio disse...

INVEJA MATA A GALERA!
AS PESSOAS SAO PEQUENAS E A ALMA APODRECE!

18 de julho de 2009 14:13
calango azedo disse...

muito bom adorei

18 de julho de 2009 14:26
Plugado disse...

Ah parte final.. compensou ler todo esse texto parabens amigo..

visite meu blog quando puder
http://www.fiqueplugado.com/

18 de julho de 2009 14:41
lol disse...

vc sabe escrever bem

18 de julho de 2009 14:56
lol disse...

parabens bom texto


MUNDO DROGADO

18 de julho de 2009 15:58
MUNDO GÓTICO disse...

são textos muito incomuns!

isso não é bom, em ..
isso é ótimo !
parabéns!
é uma maneira de mostrar as idéias ..

18 de julho de 2009 17:03
Ana Lucia Nicolau disse...

será que a dúvida é vizinha da inveja? sei não...

18 de julho de 2009 23:05
Zigfried zZ disse...

hmm.. interessante

18 de julho de 2009 23:14
Bruno Taumaturgo disse...

Nossa. parabens, escreve bem,
e foi gostoso ler.
Uma maneira poetica de se falar da inveja, volta ao nosso cotidiano,
liberdade ou miséria? eis a questão.
E quando descobrirmos qual a melhor, morrermos de alegria...


Abraços

19 de julho de 2009 12:43
Danilo Moreira disse...

Se a dúvida é vizinha da inveja, eu acredito que a frustação é sua hóspede...hehehe

Otimo post.

Abçs!!!

http://blogpontotres.blogspot.com/

19 de julho de 2009 12:47
O mundo de cada um disse...

Nossa, que texto louco, mas muito bem feito, de uma primazia tremenda.

19 de julho de 2009 12:59
O mundo de cada um disse...

Nossa, que texto louco, mas muito bem feito, de uma primazia tremenda.

19 de julho de 2009 13:02
Bruno Taumaturgo disse...

"Acho que as vezes nos perdemos em seus pensamentos."

Adoro sempre que me apontem coisas, boas ou ruins. Mas nao entendi muito bem o que disse, eu sei das grandes rupturas do meu blog, claro, nao to em pra te pedir uma analise, nem tampouco quero ser folgado. Só que, so gostaria 'ouvir' um pouco mais, as vezes tenho essa necessidade, ser criticado. Entao, me diga?

19 de julho de 2009 13:02
Gabriela disse...

Vc escreve muito bem, acho que já disse isso em comentários passados.
Ótimo texto, aliás, mais um ótimo texto.
Parabéns!!!

Abraço.

19 de julho de 2009 13:13
Bruno Taumaturgo disse...

Agradeço pela atenção.
E pela idéia também.
Há pouco tempo escrevo, mas é agora mesmo que ta fazendo sentido. Tanto que fazia muito tempo que nao postava, era so um garoto. Agora um garoto com mais ideias.

Pode apostar que vou ler sim!

Abraço

19 de julho de 2009 13:17
Angel disse...

Mais um maravilhoso texto! Parabéns


http://infonews2012.blogspot.com

19 de julho de 2009 13:20
Wander Veroni disse...

Puxa vida, que texto legal! faz o leitor pensar sobre o sentimento de inveja. Nem sempre a grama do vizinho é a mais bonita...hehehe...tudo tem dois lados e dois pesos. Parabéns pelo conto!

Abraço,

http://cafecomnoticias.blogspot.com

19 de julho de 2009 13:29
Sandrinha disse...

Parabens!

19 de julho de 2009 13:39
Marcelo Ribeiro disse...

Ótimo texto, bom para ler muitas vezes. Parabéns!!

19 de julho de 2009 14:04
Arthur A. Melo. disse...

cara mais uma vez muito bom o texto,
sucessos, ta afim de uma parceria de banner?
http://arthurmelo92.blogspot.com/

19 de julho de 2009 14:06
Inez disse...

Como na vida, sempre há alguém querendo ser o outro. São poucos os que se contentam com o lugar onde estão.

19 de julho de 2009 14:15
Keisy disse...

Muitooo boom! Seus testos são os melhores! Continue sempre assim! bjs!

19 de julho de 2009 17:52
Alan Salgueiro disse...

Mais uma vez tenho que lhe aplaudir, Marton! Que bela exposição de oposto e suas minúncias, a inveja habitando até a condição dos mais asquerosos seres, em estágios diferentes de condição. É um grande conto, que não deixa também de ter sua função de crônica. Enfim, independente do que for, foi excelentemente desenvolvido!

19 de julho de 2009 17:54
Inez disse...

Esse texto me fez lembrar o tempo de faculdade quando tinha que fazer experiência com os malditos ratinhos de laboratório.

19 de julho de 2009 18:26
Anônimo disse...

perfeito,legal o jeito que tu escreves.
se puder,visite o meu:
http://pensamentossubentendidos.blogspot.com/
te cuida!bom fim de semana pra ti!

19 de julho de 2009 18:30
Anyh ^^) disse...

Caramba fiquei sem palvaras...
td q vc diz é incrivel parabens


http://anynha-nanda.blogspot.com/

20 de julho de 2009 18:49
Luiz Barbosa Neves disse...

Pensando em Wilhelm Reich ocorreu-me.
Um cárcere libertário, ou um farto esgoto. Ótimo.

20 de julho de 2009 18:50
kbritovb disse...

parabéns again³

20 de julho de 2009 19:41
Thais disse...

sem palavras, adorei..
anciosa para ler os outros.

20 de julho de 2009 20:01
Arthur A. Melo. disse...

muito bom mesmo, inicialmente
parece uma narrativa, mas de repente
vai tomando uma proporção mais poética.

http://arthurmelo92.blogspot.com/

21 de julho de 2009 12:41
Diego Janjão disse...

Seus textos são os melhores,como sempre!

parabens! e sucesso!

21 de julho de 2009 12:47
Fabricio Hans disse...

Frases rápidas. Poucas palavras. Idealização da imagem. Adjetivos, Locais, Seres...isso tudo num só texto! Curti.

Só cuidado pra não perder lógica da linha de raciocinio e tomar outro rumo, ok...fica o tok.!

Abraço.
foi bom conhecer o blog.
Apareça e conheça meu blog tbm.!

21 de julho de 2009 12:55
Rafa Amaral disse...

Adorei o texto amigo blogueiro. Vou votar no seu blog. Aproveite e passe no meu, é de cinema, e pode votar também, acho que estou longe de estar entre os 100 mais rsrsrsrsrsrs Passe lá, comente, fale o que quiser. http://cinemasemtempo.blogspot.com

Abraçosssss

21 de julho de 2009 13:13
Diego Rodrigo disse...

Nossa, mto bom, você faz roteiros de curta metragem né?
dá pra ver pelos outros textos, são todos muito bons.
Sucesso!

21 de julho de 2009 13:49
Adm. Marcelo Leite disse...

é um sentimento perverso!

21 de julho de 2009 14:19
Lara Sousa disse...

A vida é assim mesmo, nunca estamos satisfeito com quem somos, é aquela história de a grama do vizinho é sempre mais verde, sempre estamos querendo algo que não está ao nosso alcance
beeijos

21 de julho de 2009 16:57
JacK B. disse...

É muito comum invejarmos o que os outros tem sem ligar para nossas proprias regalias. Cada vida há o bom e o ruim. Temos o olhar desvairado de crer que a nossa vida é sempre tão ruim e a das outras é tão boa.

21 de julho de 2009 17:07
caixote disse...

Parabenes pelo testo bom criativo

21 de julho de 2009 19:47
MattXFrehley disse...

cara, vc sabe escrever bem. Adorei o texto.

22 de julho de 2009 16:11
|==Adonai==| disse...

Você escreve muito bem!
daki a poko ta escrevendo novela pra globo!
parabens

www.locajogos.blogspot.com

22 de julho de 2009 16:21
Web Diàrio disse...

Puta texto cara!
alem da cena narrada, vejo uma análogia a sociedade atual...
Os ratos, em suas desvantagens, porem a mesma destridpra inveja...
Gostei muito, meus parabens!

22 de julho de 2009 16:24
Rosangela A. Santos disse...

Eu amei o seu texto e a reflexão embutida .. no fundo muito e muitos de nos temos isso .. nunca estamos satisfeito com que temos .. do outro lado parece ser melhor .. mas não sebemos o lado ruim do outro lado .. tudo tem o 2 lados!!

Abç.

22 de julho de 2009 17:21
30 e poucos anos. disse...

Parece que para algumas pessoas nada está bom ... é sempre querendo algo a mais e invejando o próximo.

22 de julho de 2009 17:24
A.C Once Caldas - SM disse...

De novo aqui :D

Muito bom mesmo veio, cada vez mais melhorando seu jeito de escrever, meus parabens

22 de julho de 2009 17:47
Lara Sousa disse...

Ja fiz meu comentário aqui, mas como tenho comentar de novo devo dizer, que o texto foi muito bem escrito no primeiro momento queler, nunca imagina q essa história sobre ratos é muito mais filosofica;

beeijos

22 de julho de 2009 17:47
Fábio Flora disse...

Seu texto é excelente, corretíssimo (do ponto de vista gramatical), com um ritmo bem peculiar, preciso, usando e abusando das frases nominais. Adorei! Abraços e sucesso com o blog!

22 de julho de 2009 18:07
Claudia Queiroz disse...

É irmãozinho, os seres nunca estão satisfeitos com o que têm, nem mesmo os animais.
A grama do vizinho é sempre mais verde.
Os outros sempre recebem tudo de "mão-beijada", sem fazer esforço.
Enfim, existem maneiras e maneiras de abordar o mesmo tema.
E a sua abordagem é sempre melhor do que a minha.
Bjks saudosas,

PS: É sempre um prazer ler você.
Continua que tá ficando cada vez melhor.

22 de julho de 2009 18:11
Jornal disse...

Esta ai um cara que sabe escrever!
um dos melhores blogs que conh~ço!

23 de julho de 2009 12:04
Rosangela A. Santos disse...

Olha eu de novo apreciando o seu blog.

Ah! eu votei!!

Abç e sucesso!!

23 de julho de 2009 12:40
ligiaferraz disse...

po muito bom teu texto! parabéns! e como já dizia o ditado: "a grama do vizinho é sempre mais verde". há quem diga o contrário, mas eu muito duvido. nunca ninguém tá completamente satisfeito com o que tem, e as vezes até acho que é isso que faz o ser humano evoluir buscando sempre ser alguém melhor que já foi.. mas enfim, isso é história pra outro post! :)

23 de julho de 2009 12:58
Edilaine disse...

Para vc como nunca ninguém está satisfeito com tdo q tem!!!

23 de julho de 2009 13:00
Eliane Furtado disse...

Sempre textos inteligentes por aqui.

23 de julho de 2009 14:01
Drunken Alina disse...

Adoro me alimentar do seu jeito rico de escrever.

E percebi que meu chefe é um rato-humano.
Tenta ser branco por fora,mas a podridão interior é tão grande, que já está transbordando também pra aparência dos seus dentes podres.

Beijos!!!

23 de julho de 2009 20:30
Alexander Toiévski disse...

muito bom mesmo a maneira que vc pensa

http://cronicasdigital.blogspot.com/

23 de julho de 2009 23:23
Blog lolcos disse...

bem legal cara euiheuieheueh
gostei ^^
parabens
abraços

23 de julho de 2009 23:43
LReporta disse...

Muito interessante a metáfora.

Eu me pergunto se há um meio termo. algo entre um e outro que satisfaça. Será que teremos que viver sempre entre o desejo de se conformar e ser aceito e o de agir de forma diferente e ser rejeitado? Há solução pra isso?

24 de julho de 2009 20:11
Débora Borsatti disse...

Simplesmente original e criativo. Sua maneira de escrever envolve, aprofunda e captura a atenção.Estou refletindo até agora sobre a impactante frase final...demais!
Um abraço

24 de julho de 2009 20:27
Ana Lucia Nicolau disse...

vida de rato não é facil não!!!!!rsrs

26 de julho de 2009 12:55
seuvicio disse...

Pois então. A vida fede, né?

26 de julho de 2009 12:57
L.J disse...

Parebéns pelo blog, adorei o texto... Não tinha pensado por este onto de vista, valeu a reflexão


Bju

27 de julho de 2009 00:27
Vivica disse...

Marton, aquele texto foi uma exceção. Não costumo escrever em partes.
Passei por uma situação particular e traduzi num conto. Como as coisas parecem ter se resolvido, resolvi escrever um novo conto derivado do primeiro!

Por favor, não te sinta traído! kkkk

Beijos

27 de julho de 2009 00:40
Canto do Lufa disse...

Uma ótica dos ratos
seus desejos e o cenário de seu universo!

Mais uma vez um texto muito bom!

Parabens!

27 de julho de 2009 01:09
Robson Ribeiro disse...

Olá Marton!

Parabéns pelo Blogue!
Muito bom mesmo.

Gostei muito e já votei no TopBlog.
Estou concorrendo também com o www.poesiaemblog.blogspot.com, e aguardo sua visita e o seu voto.

Grande Abraço!

27 de julho de 2009 10:01
Eliane Furtado disse...

Marton, me esbaldo de rir por aqui. O texto da reprise é maravilhoso. Como este aqui.
Mulher que mia é demais. Perdemos todas para elas. heheheheheh
Vcs adoram.heheheheeheh
Olha, vou lançar Atraídos pelo Amor em Sampa, dia 7 , na Saraiva Higianópolis.
Vai estar por lá? 7 de agosto.
Convida seus amigos por mim?
Lá tb tem uns contos...a Babá, os vizinhos...Hummmm
Já tem o livro? Me cobre. beijos

QUANDO CRESCER VOU ESCREVER ROTEIROS COMO VC!

29 de julho de 2009 05:44
Fernanda Maria disse...

ein? não entendi nada....hehehehehe...mas to gostando de ler os textos são legais mesmo eu não tendo entendido esse rss

7 de agosto de 2009 13:07
Francimare Araújo disse...

Estou bestificada com tantos comentários a respeito. Meu Deus , parece mentira!!!
Parabéns!

8 de agosto de 2009 17:26
Marcia disse...

Gostei muito de como é escrito!

Muito bom!

9 de agosto de 2009 15:53
seuvicio disse...

No fim das contas todo mundo toma no cu.

9 de agosto de 2009 17:08

Marcadores

3G (1) A Fábula do Pé Sujo (1) A Fábula do Pé Sujo. (1) A Lápide (1) A Tal da Portabilidade (1) A Unidos dos Dois na Sala (1) A Virada do Ano (1) aeromoça (1) aladin (1) Amor a primeira vista (2) amores impossíveis (1) ano novo (1) Arrumação (Em Cadeados) (1) As Cores Dela nas Paredes da Cabeça Dele (1) As Sereias da Estante (1) Assalto (1) assassinato (1) Até que a morte nos separe. (2) avião (1) Bacon (1) barrinha e cereal (1) Bonecas (2) Cabeça (1) cachorro (1) Cadê Deni”zs”e? (1) Caixa Preta (1) caos aéreo (1) carros (1) casa de malucos (1) cereser (1) Céu de Cereal (1) circo (1) Com Deus Só a Vista. (1) concurso (1) construir (1) conto (17) Conto de amor (1) Contos do Rio (4) Copa do Mundo (1) Copacabana (1) Coração Roubado (1) Cortazar (1) cronica (1) Crônica (1) Crônicas (1) desejo (1) Dia de Mãe (1) Dia dos Namorados (2) ditos (1) Do Frio e Branco Azulejo (1) Do Ponto de Vista da Inveja (2) Dos seus saltos (1) Encontros (1) engarrafamento (1) Engolir Palavras (1) espumante (1) Existe Vida após a Morte. (1) fantasia (1) farol (1) Fred (1) Fundo do Poço (1) gênio (1) Ginger (1) Hamburguer (1) humor (6) Idéias (1) Kama $utra (1) lâmpada (1) linchamento (1) luz no fim do túnel (1) Mãe (1) Mãe e Filha (1) manicômio (1) Maradona (1) Marias Chuteiras (1) Me acertou em cheiro (1) menage (1) Mentirinha (1) Mil e uma noites (1) Moleque de Rua (1) Musical (1) O Buraco (1) O Cão de olhos com brilho de diamantes (1) O Engolidor de Palavras (2) O Gênio Ombudsman (2) O Globo (1) O Homem que Não Queria Ir a Copa do Mundo (1) O Que Não é Mais Gente (1) O T da Questão (1) O Último Dia (1) obra (1) Obras (1) orelhão (1) Os cílios postiços dos postes da avenida (1) pão doce (1) Passatempo (1) Pensamento (1) pião (1) poema (7) poesia (6) Portabilidade (2) prosa (1) Quando Ela Perguntou a Ele se estava caindo (1) revertere ad locum tuum (1) rosquinha (1) Saindo do armário (2) Sobre a última Estação. poesia (1) soco (1) sonha-me (1) suruba (1) swing (1) Técnico de Futebol (1) tecnologia (1) Teu Esmalte (1) Teu jogo (1) Top Blog (1) Traição (1) troca de casal (1) trocando de mulher (1) Ursula Andrews (1) Vida (2) vida de cão (1) Vida de Operário (1) Vida. (1) Vingança na carne (1) violência (1)