segunda-feira, 10 de agosto de 2009

O Engolidor de Palavras


A primeira vez que ele ouviu pensou que fosse apenas um pensamento perdido em sua cabeça. Daqueles que dão voltas e ficam batendo de um lado para outro, insistentes, girando dentro do coco. Mas a frase se repetiu algumas vezes e depois foi caindo, como se do topo de sua cabeça descesse, ali pela região da nuca, escorregando pela a garganta e chegassem apenas algumas sílabas ao estômago.
Ele estranhou. Logo ele tão prolixo e articulado, não era de engolir as coisas assim.
Tentou pensar em algo genial. E de novo repetiu-se a sensação.
Quem sabe algo mais simples e... Outra vez.
Era isso. Não conseguia mais externar o que pensava e tudo o que dizia virava um eco interno, indo goela a baixo direto para a pança.
“Como vou fazer pra comprar pão?” – Pensou.
E ouviu. “pra comprar pão...” “comprar pão...” “pão”... “ão”
Sentiu-se engolir as palavras, que desceram pescoço adentro com um sabor e cheiro de padaria às 6 da manhã. O lado bom foi que sentiu-se estranhamente alimentado.
E os textos seguiram-se, parágrafos inteiros. Pensamentos perfeitos, que agora eram ensimesmados, degludidos com o apetite dos que trocam suas vidas pela vida dos outros nas bibliotecas.
A barriga ficava assim, estufada, como um garoto subnutrido, o umbigo estufado e se sentia empanzinado de verbetes. E acabava arrotando sílabas, fonemas, nada completo saía boca a fora. E após muito insistir, viu que não tinha mais coragem, nem disposição.
Acabou passando os dias a abocanhar palavras. Nem mastigava. Algumas delas eram comuns, vulgares, usuais, desciam como pudim. Outras, antes de engolir, tinha que consultar um dicionário para ver senão fariam mal.
Mas tinham certas coisas que ele engolia que ficavam ali, dias, sempre difíceis de digerir. Suava frio na hora de colocar para fora. Já passou por isso?
Foi quando ouviu o carro de som anunciando o Circo.
Ah! Podia entrar para o circo. Fariam filas para ver a nova atração, seria famoso, engoliria palavras e seu próprio eco em cadeia nacional.
Podia inclusive ampliar seu número, engolindo em várias línguas. Seus olhos brilharam com a possibilidade. Só não gritou de felicidade porque mal pensou, e a alegria toda já estava chegando ao estômago.
Procurou o Dono do Circo que ficou impressionado com sua habilidade.
Um número assim seria atração principal. Muito melhor que a mulher com poder de síntese!
O dinheiro que ele ofereceu era um desaforo. Mas, como de costume, apressou a engolir o que pensava sobre aquilo e como sempre, assim como quase todo mundo, aceitou de bom grado.
E cartazes foram espalhados pela capital. Foi anunciado em toda parte...
A arena estava cheia.
Naquela noite, estranhamente, a audiência não torceu para os leões devorarem o domador, nem tão pouco para o erro do malabarista.
A promessa das palavras que não saem, sempre trazem uma certa tensão no ar.
- E com vocês o espetacular, magnânimo, sublime... Engolidor de Palavras! - Disse o mestre de cerimônias balançando sua cartola freneticamente.
Foi quando ele anúncio surgiu no palco. Roupa brilhosa, um ar confiante. Refletia.
A audiência em polvorosa aplaudia de pé.
E ele, emocionado com o reconhecimento tardio a seu talento ficou completamente sem... palavras.
Até que tentou pensar em algo, algo realmente inovador e diferente. Nada. Nem uma letra. Um vazio da cabeça aos pés. Seu coração parecia que ia saltar pela boca, como num desenho animado e sair dançando de cartola e bengala nas mãos.
Mas não era isso que haviam pago pra ver.
Na verdade a maioria eram intelectuais, cientistas, pensadores. Uma platéia que sempre adora um espetáculo em que não tenha que mexer nos bolsos.
A vaia começou mansa e foi ganhando o mundo. A turba enfurecida queria pão, circo, e para dar um tempero, sangue! Choveram tomates, pedras e o que mais doía, as verdades cortantes atiradas de todos os lados. Ele engolia as ofensas uma a uma e logo viu que se não saísse dali explodiria. Ou pior: começaria a gostar daquilo, talvez até virasse atendente de telemarketing.
Todos avançaram sobre ele. Assim é a fama. Todos querem um pedacinho de você, nada demais. Um naco, uma fatia, uma lasca. Algo para levar pra casa e deixar sobre o criado mudo.
Fugiu. A fama ali, e ele fugiu. Veja só.
Corria, como aquelas fugas em cinema mudo. E passou horas, dias, meses, correndo. E, até mesmo para ficar mais leve, resolveu não pensar em mais nada.
Levou sua vida assim, de forma simples, correndo das coisas.
E com aquele medo. De morrer sufocado em suas próprias palavras.

#

46 comentários:

Diego Janjão disse...

este cara deveria aparecer por aqui e engolir as mentiras ditas ao nosso povo em epoca eleitoral!

rsrsrs

Mais uma vez você se supera Marton...

Parabéns!

12 de agosto de 2009 13:15
Simply disse...

Super show...
Bem bolado e satirizado...
Aquela do Atendente de Telemarketing é bem engraçada até...

Demais mesmo...

abs

www.solidocomoar.blogspot.com
dica de hoje: Banda Mixtape

12 de agosto de 2009 13:17
bullshitrock disse...

kct ducaralho! Lembra Edgar Alan Poe =D

Parabéns!

12 de agosto de 2009 13:26
Tiago Dadazio disse...

muito, muito, muito bom!!

12 de agosto de 2009 13:45
mediskina disse...

Ótimo texto!
Parabéns!


Mediskina-Aqui a gente brinca mas ensina Medicina!

12 de agosto de 2009 14:03
Henrique disse...

Show de bola! Realmente foi bem planejado, e satirizado como disse o Simply.

Gostei mesmo, muito bom!

Abraços.

http://mundobizarro10.blogspot.com/

12 de agosto de 2009 14:06
Vivendo deixando a vida me levar... disse...

Olá vim conhecer seu blog adorei voltarei mais vezes parabéns!!!

^^

Bjokas

12 de agosto de 2009 14:13
gui designer disse...

valeu pela dica!! muito bom o blog!!!


abraço

12 de agosto de 2009 14:18
Diih M. disse...

Huehueheueu
Nussa; muito bom.
O de baixo "swing" também.
ótimo blog.

12 de agosto de 2009 14:34
PanPum Flûor disse...

muito bom o texto :~
achei interresante :D
bem criativo

12 de agosto de 2009 15:17
B. 7 disse...

Uau;
adorei...
voltarei sempre! MUITO INTELIGENTE

12 de agosto de 2009 15:41
Café Expresso. disse...

Adoro textos assim, que exploram bem cada um dos significados das palavras.

12 de agosto de 2009 16:08
Schueler disse...

Cara...
Lembro de ter lido algo tão bom assim quando lia Luis Fernando Verssimo com suas Crônicas do Ed Morte e outros...
MUITO BOM, cara.
Quero mais.

12 de agosto de 2009 16:14
Carine Galle disse...

pra quem, gosta de ler e otimo!! gostei do post de swing..

12 de agosto de 2009 18:25
altaspiadas disse...

muito bom

parabens

12 de agosto de 2009 18:34
luiz scalercio disse...

bellissimo texto
prbns seu blog.

12 de agosto de 2009 18:36
Carlos Vin disse...

Cara, daria um otimo e lindo curta metragem... Eu fui lendo o teu texto e vendo cenas, imagens... Ficou mto interessante cara... parabens... Adorei essa metafora de engolidor de palavras...

Um grande abraço!

12 de agosto de 2009 18:38
Kaka disse...

adorei... seus textos são todos bons

xD

eu ri dakela do atendente de telemarketing

xD

12 de agosto de 2009 18:52
adenilson disse...

hahahaa etaa ótimo titulo hahaha...
aorei o blog...
agora vou indo
abraços
ótima quarta/quimta
primeira vez aki
volterai mais vezes
e se permitir te sigo
o/
e convido claro a voce passar no

www.bocadekabide.blogspot.com

será bm vind dmais lá...
hhihihiihi

12 de agosto de 2009 21:44
Marlene Olympio disse...

Muito legal. Gostei.sabemos muito bem o que representam as promessas de palavras que acabam não saindo. Afinal, elas estão por aí, gritando e exibidas querendo responder ao mundo. O texto é bem pensado e nos aparece visualmente com muito movimento. Valeu.Você é realmente um "contador de histórias' PARABÉNS.

13 de agosto de 2009 07:54
Fabíola disse...

Tu escrevem benm, Marton. Gosto das figuras de linguagem que tu usas. Tem futuro...

14 de agosto de 2009 09:39
Andy Lima disse...

Nossaaaaaaaaa, muitoooo bom mesmo
Adorei de verdade, Gostei do blog todo! Está de parabéns!

14 de agosto de 2009 09:49
*Teta de Nêga* disse...

Excelente!

14 de agosto de 2009 10:30
Eliane Furtado disse...

Vim te visitar aqui e como aprendo.
Texto dez Marton. Saudade dos debates.

14 de agosto de 2009 13:02
adenilson disse...

q bom q gostou como jah comentei aproveito pra fazer um peidido ops pedido q peido o q...
pra q vc dê a sua colaboração lá no primeiro post do blog...é um pedido muito especial e conto com sua ajuda.
ótimo fds.
nos falamos em breve....
e feliz dia do voto secreto...
abraço
www.bocadekabide.blogspot.com

15 de agosto de 2009 03:00
danisiinha disse...

primeiramente parabens maisuma vez ... amo o modo como vc solta as palavras ...rsrs
falando nisso tenho engolido as minhas ultimamente , mas ando descobrindo que dá uma azia danada! rsrs
adoro passar por aqui ....bj

15 de agosto de 2009 14:21
Prince Morbido disse...

Muiuto boa as historias, andei lendo as outras tb e gostei muito
!
parabéns!

16 de agosto de 2009 12:26
Neto Morais disse...

Bem interessante, e muito convidativo.

SRN

16 de agosto de 2009 12:33
Vini e Carol disse...

A vida simples pode nos trazer muitos mais benefícios do que a fama e mentira.

Mas creio que isso fica apenas em ficção, sabemos como na realidade as coisas são bem diferentes.

Abraço.

16 de agosto de 2009 13:00
Lombardi* disse...

muito bom seu texto e o blog

16 de agosto de 2009 13:05
iti disse...

é, fez parte do nosso mundo.
belo texto
http://www.maquinazero.com.br

16 de agosto de 2009 13:47
gAng disse...

uma ótima sátira ^^

www.hysteria-project.blogspot.com

16 de agosto de 2009 14:00
Khaos disse...

caralho, Muito bom teu blog, escreveste bem pra caramba!

16 de agosto de 2009 14:08
Adm. Marcelo Leite disse...

Adorei a nmaneira em que escreve!!!

16 de agosto de 2009 14:41
Arthur A. Melo. disse...

Parabéns!

mas que situação essa não?
chega até a ser cômico.

16 de agosto de 2009 17:03
Apenas um começo disse...

Cara muito boa a história, até lembra aquele filmes em branco e preto que hoje em dia são esquecidos ;/
Gostei bastante, parabéns =]

Abraços !

16 de agosto de 2009 17:22
Zazá disse...

Otimo blog *-*
adorei mesmo, continue assim e com muito sucesso.
Que Deus te abençoe sempre, se puder passa no meu blog!
aguardo hein?

16 de agosto de 2009 17:24
Layne Lima, end. disse...

minha nossa!
não é só o titulo criativo, gostei também de todo o resto.
ainda bem que ainda existem blogs bons pela rede, parabéns :D

16 de agosto de 2009 19:47
seuvicio disse...

Cabôco frouxo.

16 de agosto de 2009 20:06
layne disse...

Marton... Cazuza sim! Não é que eu não leia outras coisas, como por exemplo, esses escritores que você citou. Mas o cazuza escreve tudo que eu me identifico, escreve o que eu gostaria de dizer e não sei como, escreve muito bem, na minha concepção, ele é genial *--* //

16 de agosto de 2009 20:24
Luciano Silvestre disse...

Marlon, parabéns pelo texto! Acompanharei seu blog e suas obras! Abraços.

16 de agosto de 2009 20:25
Plínio disse...

kra, vou te dizer que não li o texto inteiro, pq é bem grande... rs
mas até a parte que li, achei interessante

parabens

16 de agosto de 2009 20:39
MM.oO disse...

Adoreii o blog parabens!

acesse o meu: http://downloadnuevo.blogspot.com/

16 de agosto de 2009 20:53
Pesa-Nervos disse...

Bacana o espaço, pena que vc não tem moleskine nem bebe. Tamo junto então ;)

18 de agosto de 2009 10:58
Francimare Araújo disse...

"De morrer sufocado em suas próprias palavras." No início eu pensei que a intenção do texto era pra'quelas pessoas que se fecham no seu mundo, vêem as coisas acontecerem, ser ofendidos verbalmente e não fazerem nada, se oprimirem. Mas só no final eu vi que era a ouras tantas famosas!
Parabéns!

18 de agosto de 2009 23:38
Francimare Araújo disse...

Leia também: jovemgengibre.blogspot.com

29 de agosto de 2009 17:59

Marcadores

3G (1) A Fábula do Pé Sujo (1) A Fábula do Pé Sujo. (1) A Lápide (1) A Tal da Portabilidade (1) A Unidos dos Dois na Sala (1) A Virada do Ano (1) aeromoça (1) aladin (1) Amor a primeira vista (2) amores impossíveis (1) ano novo (1) Arrumação (Em Cadeados) (1) As Cores Dela nas Paredes da Cabeça Dele (1) As Sereias da Estante (1) Assalto (1) assassinato (1) Até que a morte nos separe. (2) avião (1) Bacon (1) barrinha e cereal (1) Bonecas (2) Cabeça (1) cachorro (1) Cadê Deni”zs”e? (1) Caixa Preta (1) caos aéreo (1) carros (1) casa de malucos (1) cereser (1) Céu de Cereal (1) circo (1) Com Deus Só a Vista. (1) concurso (1) construir (1) conto (17) Conto de amor (1) Contos do Rio (4) Copa do Mundo (1) Copacabana (1) Coração Roubado (1) Cortazar (1) cronica (1) Crônica (1) Crônicas (1) desejo (1) Dia de Mãe (1) Dia dos Namorados (2) ditos (1) Do Frio e Branco Azulejo (1) Do Ponto de Vista da Inveja (2) Dos seus saltos (1) Encontros (1) engarrafamento (1) Engolir Palavras (1) espumante (1) Existe Vida após a Morte. (1) fantasia (1) farol (1) Fred (1) Fundo do Poço (1) gênio (1) Ginger (1) Hamburguer (1) humor (6) Idéias (1) Kama $utra (1) lâmpada (1) linchamento (1) luz no fim do túnel (1) Mãe (1) Mãe e Filha (1) manicômio (1) Maradona (1) Marias Chuteiras (1) Me acertou em cheiro (1) menage (1) Mentirinha (1) Mil e uma noites (1) Moleque de Rua (1) Musical (1) O Buraco (1) O Cão de olhos com brilho de diamantes (1) O Engolidor de Palavras (2) O Gênio Ombudsman (2) O Globo (1) O Homem que Não Queria Ir a Copa do Mundo (1) O Que Não é Mais Gente (1) O T da Questão (1) O Último Dia (1) obra (1) Obras (1) orelhão (1) Os cílios postiços dos postes da avenida (1) pão doce (1) Passatempo (1) Pensamento (1) pião (1) poema (7) poesia (6) Portabilidade (2) prosa (1) Quando Ela Perguntou a Ele se estava caindo (1) revertere ad locum tuum (1) rosquinha (1) Saindo do armário (2) Sobre a última Estação. poesia (1) soco (1) sonha-me (1) suruba (1) swing (1) Técnico de Futebol (1) tecnologia (1) Teu Esmalte (1) Teu jogo (1) Top Blog (1) Traição (1) troca de casal (1) trocando de mulher (1) Ursula Andrews (1) Vida (2) vida de cão (1) Vida de Operário (1) Vida. (1) Vingança na carne (1) violência (1)