quarta-feira, 20 de janeiro de 2010

O BURACO

O suor fazia trilhas por entre suas banhas.

Havia um bom tempo que o vento havia desistido de passar por aquela avenida. Já o sol, não. O sol estava ali, firme, forte, marretando sua cabeça assim como ele marretava o asfalto.

Cada vez que batia no chão, sentia seu corpo todo tremer, vibrar penetrando o betume virgem. A marreta tal como um objeto fálico socava com força o asfalto e ele gozava com aquilo.

Tirou o capacete por um minuto e observou o engarrafamento. Sorriu com orgulho e lembro do diálogo com a patroa pela manhã.

- Hoje vou parar uma avenida! – Contou orgulhoso para a mulher enquanto comia o pão frito na frigideira encharcada de margarina.

E parou mesmo.

Podia ver no rosto o desespero dos executivos dentro de seus carros de luxo. Não contavam com aquela obra ali, aquele mundo de carros, aquele engarrafamento, os minutos de atraso.

Via com satisfação o rosto trincado dos motoristas de ônibus, que como cágados carregavam os estresses de todos que iam com ele nos coletivos lotados.

E os guardinhas? Estes eram uma diversão à parte para ele. Soprando os apitos, fazendo sinais, numa dança desesperada e involuntária. Notava que vez por outra eles sumiam. Era muita pressão. Muita mesmo. Mas não pra ele.

- Se o cara me pôs neste buraco, trago todo mundo junto comigo...

Passou a mão na testa e tirou quase litro de suor, que escorreu pelos seus braços empapando ainda mais o macacão. Adorava aquilo.

O tampão de ouvidos o deixava ainda mais distante, isolado, inalcançável. Um Deus a cuidar dos destinos de todos, decidir o quanto tempo aquele buraco iria reger a vida de toda aquela gente.

- Pra onde este povo todo vai? – Perguntou-se.

Aquilo o revigorou mais uma vez. Deixou seus músculos rijos, trouxe mais vontade, desejo, tesão. E a marreta voltou a subir e descer. Logo o buraco foi ficando fundo, fundo, fundo...

- Todo mundo cava... Todo mundo...

Era um dos momentos em que de grão virava assunto da multidão.

Da janela do ônibus gritaram:

- Procurando petróleo negão? –

- E pelo visto já achou... Tá todo sujo. – Todos riram. Ele não, nem ouviu.

Continuou cavando, cavando, cavando... Nem sentiu os segundos, minutos, horas passarem.

- Para que este povo todo vai? – Perguntou-se.

Era bom deixar para trás tudo e criar aquele casulo de terra e pó, onde só existia ele e nada mais. Sem mulher, filhos, patrão, trabalho, ponto, trânsito, buzinas, fumaça, só ele e as pancadas. Como batidas de seu coração acelerado.

- Mathias! Sobe homem, que história é essa?! – Gritou o mestre de obras na ponta do buraco, que já ia fundo. Passando dos dutos e da necessidade. Mas ele não parava.

- Qual a razão disso tudo? – murmurou entre os dentes e as batidas.

E na busca de alguma razão, ele continuou batendo, marretando, abrindo passagem. Cavando a própria queda. Como não fosse mais um buraco, mas um novo caminho...

- Mathias! – Não ouviu, já ia muito longe, muito fundo. Era somente eco e sombra.

Dizem que após cavar alguns dias e algumas noites ele realmente encontrou o que procurava.

Um significado para tudo aquilo. Mas o buraco era tão fundo, mas tão fundo que por mais que ele olhasse pra cima, não via mais uma luz no fim do túnel.

E o que parecia uma saída, virou cova.

6 comentários:

Raiana Reis disse...

Sublime descrição de um universo particular tão desassistido, como parte de asfalto e pó.
Adorei! Quando eu crescer... rs

21 de janeiro de 2010 09:18
Ranzinza disse...

"Dizem que após cavar alguns dias e algumas noites ele realmente encontrou o que procurava" - metaforicamente falando:

Conheço gente que está cavando e até hoje não achou o que procurava.

Bom texto!

21 de janeiro de 2010 15:50
Ranzinza disse...

"Dizem que após cavar alguns dias e algumas noites ele realmente encontrou o que procurava" - metaforicamente falando:

Conheço gente que está cavando e até hoje não achou o que procurava.

Bom texto!

21 de janeiro de 2010 15:50
Alex disse...

amigo, adorei seu blog.. gostaria de saber se você aceitaria uma parceria de links com meu site.

www.nossosromances.com.br

é sobre filmes,livros,poesias,etc

abrass

desde já agradeço

23 de janeiro de 2010 17:22
Eliane Furtado disse...

Delícia ler vc. Texto sempre sensacional. E vou aprendendo...

22 de fevereiro de 2010 07:23
Anônimo disse...

Sempre sensacional. Delícia ler você.

22 de fevereiro de 2010 07:23

Marcadores

3G (1) A Fábula do Pé Sujo (1) A Fábula do Pé Sujo. (1) A Lápide (1) A Tal da Portabilidade (1) A Unidos dos Dois na Sala (1) A Virada do Ano (1) aeromoça (1) aladin (1) Amor a primeira vista (2) amores impossíveis (1) ano novo (1) Arrumação (Em Cadeados) (1) As Cores Dela nas Paredes da Cabeça Dele (1) As Sereias da Estante (1) Assalto (1) assassinato (1) Até que a morte nos separe. (2) avião (1) Bacon (1) barrinha e cereal (1) Bonecas (2) Cabeça (1) cachorro (1) Cadê Deni”zs”e? (1) Caixa Preta (1) caos aéreo (1) carros (1) casa de malucos (1) cereser (1) Céu de Cereal (1) circo (1) Com Deus Só a Vista. (1) concurso (1) construir (1) conto (17) Conto de amor (1) Contos do Rio (4) Copa do Mundo (1) Copacabana (1) Coração Roubado (1) Cortazar (1) cronica (1) Crônica (1) Crônicas (1) desejo (1) Dia de Mãe (1) Dia dos Namorados (2) ditos (1) Do Frio e Branco Azulejo (1) Do Ponto de Vista da Inveja (2) Dos seus saltos (1) Encontros (1) engarrafamento (1) Engolir Palavras (1) espumante (1) Existe Vida após a Morte. (1) fantasia (1) farol (1) Fred (1) Fundo do Poço (1) gênio (1) Ginger (1) Hamburguer (1) humor (6) Idéias (1) Kama $utra (1) lâmpada (1) linchamento (1) luz no fim do túnel (1) Mãe (1) Mãe e Filha (1) manicômio (1) Maradona (1) Marias Chuteiras (1) Me acertou em cheiro (1) menage (1) Mentirinha (1) Mil e uma noites (1) Moleque de Rua (1) Musical (1) O Buraco (1) O Cão de olhos com brilho de diamantes (1) O Engolidor de Palavras (2) O Gênio Ombudsman (2) O Globo (1) O Homem que Não Queria Ir a Copa do Mundo (1) O Que Não é Mais Gente (1) O T da Questão (1) O Último Dia (1) obra (1) Obras (1) orelhão (1) Os cílios postiços dos postes da avenida (1) pão doce (1) Passatempo (1) Pensamento (1) pião (1) poema (7) poesia (6) Portabilidade (2) prosa (1) Quando Ela Perguntou a Ele se estava caindo (1) revertere ad locum tuum (1) rosquinha (1) Saindo do armário (2) Sobre a última Estação. poesia (1) soco (1) sonha-me (1) suruba (1) swing (1) Técnico de Futebol (1) tecnologia (1) Teu Esmalte (1) Teu jogo (1) Top Blog (1) Traição (1) troca de casal (1) trocando de mulher (1) Ursula Andrews (1) Vida (2) vida de cão (1) Vida de Operário (1) Vida. (1) Vingança na carne (1) violência (1)