quinta-feira, 18 de novembro de 2010

Quando Ela Perguntou a Ele se estava caindo


Ele caiu.
Sentiu claramente o corpo flutuar no ar e despencar para baixo.
Achava que tinha asas, mas não.
Caía.
Não havia janela, penhasco, escada, ponte de onde partiu, ele apenas caiu.
Uma queda livre onde apenas o que o segurava eram seus pensamentos.
Tentou se agarrar a tudo. Ao beiral da janela, a beirada do precipício, a corda que pendia, as tranças da mulher, as suas lembranças, esperanças, amores perdidos, mentiras, sonhos... Nada o segurava e ele apenas caía.
Um corpo feito de queda.
Às vezes rápido, rasgando o céu, deixando aquelas trilhas brancas e geladas dos aviões no azul.
Outras vezes lentamente, como o sofrimento prolongado de um vilão morrendo antes dos créditos.
Pensou que talvez que fosse um astronauta com amnésia, flutuando livre entre as estrelas.
Ou talvez estivesse nascendo após dias preso num útero.
Lembrou de sua labirintite, de não ter medo de altura, do Coiote, do Bip-bip.
E se não fosse mais gente? Fosse chuva. Uma gota que busca apenas existir em grupo, fazendo o molhado.
- E se isso não der em lugar nenhum? – Murmurou.
Toda queda tem seu fim. Ou ao menos sua finalidade.
O fundo do poço, o fim do abismo, chegar mais rápido ou pelo menos cair em si. E ele caindo.
Sentiu seu corpo girar e o vento forte o pegou de frente deformando seu rosto.
Lembrou que talvez estivesse de pára-quedas e tateou suas costas. Nada. No fundo teve aquela esperança de ter asas.
Pensou na morte. Mas não havia filme passando em frente aos seus olhos. Ou talvez sua vida não rendesse fotogramas suficientes que valesse algum registro.
Olhou para baixo apertando os olhos e enxergou uma luz tímida. A tal luz no fim de túnel.
Talvez lá embaixo para proteger seu corpo houvesse uma rede de proteção, uma tina de água, um colchão, uma palavra amiga.
Talvez não houvesse nada e ele não parasse de cair.
Ele sabia que a queda era o meio e não o fim.
Caiu mais tranqüilo.







Mal sabia ele, que lá estava ela, em algum lugar, de braços abertos esperando ele chegar.
#

2 comentários:

Raiana Reis disse...

Mal sabia ele, foi só um momento entre a realidade e o sonho, para sentir que era vida! Mas daquele abraço ela não o soltaria jamais, então não havia queda, mas dois que se erguem juntos numa mesma direção.

Foi lindo!

18 de novembro de 2010 19:02
Nuria Pucci disse...

Muito lindo, inspirador...
pareceria que quem escriviu sobre a queda tem caido muitas veces mas tem tido a sabiduría de encontrar o caminho que o leva pra sí mismo.

Muito bom, obrigada!!!
Beijos!
Nuria

29 de maio de 2011 04:40

Marcadores

3G (1) A Fábula do Pé Sujo (1) A Fábula do Pé Sujo. (1) A Lápide (1) A Tal da Portabilidade (1) A Unidos dos Dois na Sala (1) A Virada do Ano (1) aeromoça (1) aladin (1) Amor a primeira vista (2) amores impossíveis (1) ano novo (1) Arrumação (Em Cadeados) (1) As Cores Dela nas Paredes da Cabeça Dele (1) As Sereias da Estante (1) Assalto (1) assassinato (1) Até que a morte nos separe. (2) avião (1) Bacon (1) barrinha e cereal (1) Bonecas (2) Cabeça (1) cachorro (1) Cadê Deni”zs”e? (1) Caixa Preta (1) caos aéreo (1) carros (1) casa de malucos (1) cereser (1) Céu de Cereal (1) circo (1) Com Deus Só a Vista. (1) concurso (1) construir (1) conto (17) Conto de amor (1) Contos do Rio (4) Copa do Mundo (1) Copacabana (1) Coração Roubado (1) Cortazar (1) cronica (1) Crônica (1) Crônicas (1) desejo (1) Dia de Mãe (1) Dia dos Namorados (2) ditos (1) Do Frio e Branco Azulejo (1) Do Ponto de Vista da Inveja (2) Dos seus saltos (1) Encontros (1) engarrafamento (1) Engolir Palavras (1) espumante (1) Existe Vida após a Morte. (1) fantasia (1) farol (1) Fred (1) Fundo do Poço (1) gênio (1) Ginger (1) Hamburguer (1) humor (6) Idéias (1) Kama $utra (1) lâmpada (1) linchamento (1) luz no fim do túnel (1) Mãe (1) Mãe e Filha (1) manicômio (1) Maradona (1) Marias Chuteiras (1) Me acertou em cheiro (1) menage (1) Mentirinha (1) Mil e uma noites (1) Moleque de Rua (1) Musical (1) O Buraco (1) O Cão de olhos com brilho de diamantes (1) O Engolidor de Palavras (2) O Gênio Ombudsman (2) O Globo (1) O Homem que Não Queria Ir a Copa do Mundo (1) O Que Não é Mais Gente (1) O T da Questão (1) O Último Dia (1) obra (1) Obras (1) orelhão (1) Os cílios postiços dos postes da avenida (1) pão doce (1) Passatempo (1) Pensamento (1) pião (1) poema (7) poesia (6) Portabilidade (2) prosa (1) Quando Ela Perguntou a Ele se estava caindo (1) revertere ad locum tuum (1) rosquinha (1) Saindo do armário (2) Sobre a última Estação. poesia (1) soco (1) sonha-me (1) suruba (1) swing (1) Técnico de Futebol (1) tecnologia (1) Teu Esmalte (1) Teu jogo (1) Top Blog (1) Traição (1) troca de casal (1) trocando de mulher (1) Ursula Andrews (1) Vida (2) vida de cão (1) Vida de Operário (1) Vida. (1) Vingança na carne (1) violência (1)