sábado, 2 de março de 2013

As Cores Dela nas Paredes da Cabeça Dele


Ela entrou na cabeça dele para saber como era.
De onde ela o via, achava-o cheio de idéias, até um tanto quando misterioso e fascinante, mas queria saber se era só um truque, uma trama, uma armadilha ou algo realmente mais profundo.
Afinal, todos os homens são iguais. Pelo menos os que ela havia escolhido para si mesma até agora.
E foi ela escuridão adentro munida de sua luz própria e uma bússola usada, que teimava em apontar apenas para aquela direção que ela nunca seguia.
Achava que estava ali só passando tempo, queria saber o que acontecia naquele lugar e como por brincadeira seguiu mais fundo.
Curiosa como são as do sexo dela.
Vasculhou lembranças, riu de memorias engraçadas, teve ciúme daquele grande amor e ficou impressionada com a quantidade de livros, filmes, ideias e poemas por ali.
Alguns já prontos, outros por fazer e muitos que ela não entendia. Tudo espalhado.
Mal sabia que eram rascunhos ainda.
A criação esparrama tudo pela cabeça e quando se vê está ali jorrando e borrando a folha branca.
Lógico que por ali encontrou desejos, fantasias e sexo mundano.
Ela separou aquilo que gostava e o que não, fingiu não ser com ela.
Enfim, gostou do lugar e resolveu ficar. A revelia dele foi mudando os móveis de lugar, comprou plantas, varreu coisas que ela achava que não tinham mais serventia para ele para debaixo do tapete e pintou das cores de sua paixão todas as paredes.
Ele não entendia o que passava.
Seu raciocínio se perdia por ali em meio a nova mobília.
Seus pensamentos sempre esbarravam nela em meio aos lençóis e colchas da cama que ele sempre sonhou pros dois.
No meio daquela reunião ela passava só de toalha saída do banho, cabelos molhados, dentro da sua cabeça.
Ele jantando e ela de camisola se esparramava no sofá, ao lado daquela inspiração que surgia, comendo pipocas e vendo TV em alto volume, dentro da cabeça dele.
E ela dava risadas e contava a mesma piada, aquele riso gostoso que só ela tem, no meio da noite dentro da cabeça dele.
Acordava rindo.
E as vezes ela saia com pressa, atrasada, deixando coisas por fazer, louças para mais tarde, a cama por arrumar, a toalha ainda úmida no chão e aquele perfume só dela no ar, dentro da cabeça dele.
E ele só pensava assim:
- Como essa mulher bagunça minha cabeça.  



#Foto: No corredor das Escolhas by Marton Olympio

7 comentários:

Anônimo disse...

Só vc, meu poeta Russo, para escrever maravilhosamente esse amor.
Vc é um querido por toda vida.
bjks

2 de março de 2013 18:33
Anônimo disse...

Nossa, maravilhoso.Amei e me identifiquei...

3 de março de 2013 10:09
Denise Pontes disse...

Mulheres sempre bagunçando a cabeça dos homens rs.Adorei!!!!!!!!!!!!

4 de março de 2013 22:52
Denise Pontes disse...

Mulheres sempre bagunçando a cabeça dos homens rs!Adorei!!!!!!!!!!!

4 de março de 2013 22:53
Anônimo disse...


:)

25 de março de 2013 14:58
Anônimo disse...

Interessante! Posso?
Ela dentro da cabeça dele era sempre outra, que não aquela que seu amor oferecia. Ela era um pouco mais ou menos do que via além da cabeça dele. Ela para ele existia... talvez imagem, talvez essência, só pintada nas cores que ele exigia. As suas falhas também pintadas eram talvez reais, talvez outras, apenas suporte do que não é real.
Talvez era Ela um filme da sua cabeça. E ali jaz, personagem bagunçado pela cabeça dele.

27 de março de 2013 06:31
Anônimo disse...

O MELHOR DE TODOS. VOCÊ É DEMAIS! BAGUNÇA MINHA CABEÇA...

1 de abril de 2014 09:54

Marcadores

3G (1) A Fábula do Pé Sujo (1) A Fábula do Pé Sujo. (1) A Lápide (1) A Tal da Portabilidade (1) A Unidos dos Dois na Sala (1) A Virada do Ano (1) aeromoça (1) aladin (1) Amor a primeira vista (2) amores impossíveis (1) ano novo (1) Arrumação (Em Cadeados) (1) As Cores Dela nas Paredes da Cabeça Dele (1) As Sereias da Estante (1) Assalto (1) assassinato (1) Até que a morte nos separe. (2) avião (1) Bacon (1) barrinha e cereal (1) Bonecas (2) Cabeça (1) cachorro (1) Cadê Deni”zs”e? (1) Caixa Preta (1) caos aéreo (1) carros (1) casa de malucos (1) cereser (1) Céu de Cereal (1) circo (1) Com Deus Só a Vista. (1) concurso (1) construir (1) conto (17) Conto de amor (1) Contos do Rio (4) Copa do Mundo (1) Copacabana (1) Coração Roubado (1) Cortazar (1) cronica (1) Crônica (1) Crônicas (1) desejo (1) Dia de Mãe (1) Dia dos Namorados (2) ditos (1) Do Frio e Branco Azulejo (1) Do Ponto de Vista da Inveja (2) Dos seus saltos (1) Encontros (1) engarrafamento (1) Engolir Palavras (1) espumante (1) Existe Vida após a Morte. (1) fantasia (1) farol (1) Fred (1) Fundo do Poço (1) gênio (1) Ginger (1) Hamburguer (1) humor (6) Idéias (1) Kama $utra (1) lâmpada (1) linchamento (1) luz no fim do túnel (1) Mãe (1) Mãe e Filha (1) manicômio (1) Maradona (1) Marias Chuteiras (1) Me acertou em cheiro (1) menage (1) Mentirinha (1) Mil e uma noites (1) Moleque de Rua (1) Musical (1) O Buraco (1) O Cão de olhos com brilho de diamantes (1) O Engolidor de Palavras (2) O Gênio Ombudsman (2) O Globo (1) O Homem que Não Queria Ir a Copa do Mundo (1) O Que Não é Mais Gente (1) O T da Questão (1) O Último Dia (1) obra (1) Obras (1) orelhão (1) Os cílios postiços dos postes da avenida (1) pão doce (1) Passatempo (1) Pensamento (1) pião (1) poema (7) poesia (6) Portabilidade (2) prosa (1) Quando Ela Perguntou a Ele se estava caindo (1) revertere ad locum tuum (1) rosquinha (1) Saindo do armário (2) Sobre a última Estação. poesia (1) soco (1) sonha-me (1) suruba (1) swing (1) Técnico de Futebol (1) tecnologia (1) Teu Esmalte (1) Teu jogo (1) Top Blog (1) Traição (1) troca de casal (1) trocando de mulher (1) Ursula Andrews (1) Vida (2) vida de cão (1) Vida de Operário (1) Vida. (1) Vingança na carne (1) violência (1)