quinta-feira, 11 de junho de 2009

Coração Roubado


O telefone tocou um par de vezes. Luciana não tinha muitas esperanças que ele atendesse. Mas continuava a insistir. Ligou de novo. E de novo. Deixava tocar até entrar a musiquinha da operadora. Desligava e tornava a ligar. E o gordo atrás dela, no orelhão, soltava muxoxos cada vez mais altos. Luciana estava distante dali, nada afetava a ela. O choque faz isso com as pessoas. De condutores a passageiros de suas vidas por minutos. O que restava de opção? Tinha que arriscar a ligação e, quem sabe, ele atenderia.

Insistiu mais uma vez. Nada. As pessoas na rua iam e vinham alheias ao seu problema. Somente o roliço, de barriga dura e bigodes grossos, compartilhava sua dor. Não por dó ou solidariedade. Mas porque este era um dos únicos telefones que funcionava naquele bairro.

E ele também, assim como eu, você, todo mundo, tinha pressa.

Luciana tinha comprado um cartão de 60 ligações, gastando os últimos trocados que achou no bolso. Sua mãe diria que aquilo era um exagero. Mas ela era dada a estes impulsos. A sensação de ligar para seu próprio número era estranha, mas só mesmo Luciana para estar numa situação como aquela.

Ligou mais uma vez. Quem sabe ele...

- Alô? – Ele disse já sem paciência.

- Alô... Quem está falando? – Ela até tentou sorrir. Mas não conseguiu disfarçar seu nervosismo.

- Quer falar com quem? – Ele já estava sendo grosseiro.

- Sou eu, a moça do ônibus... – Luciana tremia.

- Sei... Olha só. Não tem parada. Se ligar de novo o bicho vai pegar. Vai ficar ruim pra tu, tá ligada?

- Tô, acho que sim... – Luciana começou a chorar baixinho. Sabia que não podia ter mais esperanças. Mas, ele não podia tratá-la assim. Principalmente depois do que ele a fez passar.

- Então pára de me torrar o saco! –

Luciana nem respondeu mais, só chorava. Ele ficou em silêncio por alguns segundos e desligou. Luciana ainda soluçava quando colocou o fone no gancho. Se afastou arrasada do telefone. O obeso tomou o lugar dela sobre a cúpula e nem notou.

O que é uma pessoa chorando para quem tem pressa?

Luciana até estranhou quando ouviu o telefone tocando ao longe, mas estava tão dentro de seus pensamentos, lembrando tudo que havia acontecido naquela manhã.

O café com seus pais, o atraso, o ônibus, a arma, a bolsa que se foi...

- É para você! – Disse o homem.

Luciana olhou meio sem entender para o fone que balançava ameaçadoramente na sua direção. Ela já tinha ficado frente a frente com coisa muito pior naquela manhã. E como Luciana ficou ali, parada,titubeando, o homem largou o telefone e saiu praguejando. O telefone ficou ali, pendurado, balançando pra lá e pra cá como se quisesse hipnotizá-la.

Luciana hesitou. Não queria mais saber daquele sujeito, daquela história, da confusão. Vida que segue. Afinal, depois de tudo que passou, não precisava de mais nada. Mas ela é impulsiva...

- Pois não... – Quando viu já estava respondendo.

- Quem tá falando? – Ele agora carregava na doçura em sua voz. Quando queria sabia ser convincente. Duro ou sedutor, era irresistível.

- Sou eu, a moça do ônibus...

- Ah tá... – uma gentileza com sabor de brisa vinha dele. Leve.

- Ah tá, o que? – Luciana se fez tímida.

- Você tem uma voz linda...

Agora essa. Luciana não resistiu e fingiu irritação.

- Olha aqui, não acha que é muito atrevimento seu?

- O quê?

- Vir com este papinho...

- Pode ser. Mas que tem a voz bonita, tem...

Luciana não se conteve e sorriu. Ainda bem que estava no telefone. Não iria dar este mole pra ele.

- Você colocou uma arma na minha cara! – Luciana conseguiu recuperar a firmeza na voz.

- Ah princesa, ossos do ofício...

- E isso lá é ofício?

Ele não sabia o que era ofício. Só sabia a frase de cor. E a repetia que valia o significado de “cada um é cada um” ou coisa assim.

Ficaram em silêncio. Ela preparou o próximo movimento.

- Devolve minhas coisas... – Disse Luciana usando suas armas.

- Ih princesa, complicado hein? Pede uma coisa mais simples...

- Vai me dar o maior trabalho. Devolve minhas coisas...

- Fala assim de novo Luciana, que eu gamo. – Ele terminou com uma leve risada.

Luciana gelou. Ele estava em vantagem. Tinha todos os seus números. Sua vida estava na sua bolsa.

- Gama nada. Com você não tem idéia, é só na força...

- Quem te disse? – Ele se controlou para não alterar a voz e dar razão a ela.

- Ué, eu vi... – Ela lembrou de toda a cena. Ele subindo no ônibus e chamando sua atenção. Afinal, era um mulato lindo. Luciana o olhou disfarçadamente por trás dos óculos escuros algumas vezes. Pensou até na cara da mãe, se ela chegasse com ele em sua casa. E não só Luciana como todo o coletivo ficou assustado quando ele berrou assalto e virou o cão no interior do veículo. Porque ele havia escolhido ela para colocar a arma na cabeça era confuso. Mas ele, quando olhou pra Luciana ao entrar no ônibus, não teve dúvidas: existia amor à primeira vista.

- E se eu te disser que olhei pra você e me apaixonei...

Ela sentiu o rosto enrubescer. Ele tinha notado algo. Mesmo por trás dos óculos ela tinha dado alguma bandeira. O mulato havia percebido a quedinha dela.

Então ele começou a falar. Num outro tom, num outro clima, com uma verdade absoluta no coração. Contou de sua infância, das dificuldades, das vontades, dos sonhos e ela vez por outra comentava, concordava e até mesmo ria das suas histórias.

Contou que seu nome era Antonio Carlos. Mas na favela era conhecido como Calú.

E que queria deixar aquela vida, terminar o segundo grau e arrumar uma moça legal para apresentar para a mãe.

- Pra mim foi um sinal... – Disse ele, já mais para Antônio Carlos, que para Calú. E assim passaram um par de horas. Ela esticava papo, jogava seu charme como toda mulher, adorava seduzir.

- Onde? – Ela se surpreendeu com a pergunta dele.

- Onde o que? -

- Eu te encontro para devolver suas coisas... – Antônio Carlos fazia planos. Imaginou a cara da mãe com Luciana chegando na sua casa com ele.

Combinaram. Ela sorria feliz. Afinal, de uma forma ou de outra havia resolvido tudo. Mal desligou o telefone voltou a discar.

Uma hora se passou e Luciana estava sentada num banco na praça combinada e comia um bombom para disfarçar a fome. Numa das mãos segurava outro, esse para Antonio Carlos.

Ela o viu do outro lado da rua descendo do ônibus, a mesma linha que havia assaltado horas antes. Sorriu ao vê-la e atravessou apressadamente entre os carros. Havia trocado de roupa e usava a agora uma camiseta que realçava seus músculos. Com certeza queria impressioná-la.

- Nossa, como ele é lindo... – Ela não sabia se havia pensado ou murmurado as palavras. Luciana ficou de pé, para também se exibir um pouco. Havia soltado o cabelo e deixado o pescoço à mostra, como num convite. Antonio Carlos apressou o passo e balançou a bolsa que trazia junto ao corpo em direção a ela.

Ela acenou de volta e sorriu...

Antônio Carlos nem sentiu quando os homens se aproximaram. Não sentiu a banda e seu corpo ser jogado violentamente ao chão. Logo eram dois, três, cinco, dez. Armas para todos os lados. Um joelho na sua nuca pressionada sua boca contra o chão de pedras portuguesas. Em algum momento havia machucado o lábio que agora sangrava fininho. Muitos gritos, ordens, rádios, sirenes. Calú não passaria por isso.

Ainda viu pelo canto do olho um dos homens entregar a bolsa a Luciana, que sorriu satisfeita.

Naquele momento Antônio Carlos e Calú perceberam que muitas vezes o amor é uma verdadeira armadilha.


#

145 comentários:

Wanessa Lins disse...

Ai como foi grosso no começo ;x
Realmente nada é como a gente quer!

;**

Beijos

12 de junho de 2009 00:23
fescenina disse...

putz!
não dá pra acreditar no final... hauaauahauaha8uhauahauaa adorei...perfeito para o dia dos namorados... ^^

12 de junho de 2009 00:26
fescenina disse...

desculpa... só uma coisa... não entendi o seu comentário... ^^

12 de junho de 2009 00:29
Sueli disse...

Ahhhhhh.... não vale, eu até já tinha começado a gostar do ladrão ...rs. Muito bom! (vi seu blog lá na comunidade UOL). Um abraço!

12 de junho de 2009 00:32
Raiana Reis disse...

Mais um conto surpreendente! Parabéns mestre, que jogo de sensações e rótulos vc faz nesse conto!
Adorei, um anti-herói no dia dos namorados... rs
Abraços e bom fim de semana!

12 de junho de 2009 00:42
One Day disse...

não vale, eu até já tinha começado a gostar do ladrão [2]

muito bom!!
adoro os textos daqui!

beeijo, atualizei
http://andnobodyelse.blogspot.com

12 de junho de 2009 00:55
carlos alberto da silva disse...

muito boa e cai como uma real.

12 de junho de 2009 05:02
Sueli disse...

Olá, Marton, vi seu blog na comunidde "Eu tenho um blog", tópico "Comente no blog acima". Um abraço e obrigada pela visita. Volte sempre!

12 de junho de 2009 10:29
Avassaladoras Rio disse...

Querido amigo avassalador... bem engendrado seu conto. Divertido de ler e com um final inusitado.
Sucesso pra vc!

12 de junho de 2009 11:51
*Teta de Nêga* disse...

Ideal para o dia dos namorados...

12 de junho de 2009 12:21
Sou blogueiro - INDICOESSE disse...

adorei, adoreii, bravo!

Gostei do conto!
O Calú entrou numa grande fria, isso sim!
A Luciana foi mais que esperta em fazer tudo isso! Faz um livro que eu compro!
Parabéns!

12 de junho de 2009 12:22
Michelle da Rocha disse...

queeee escroooto !
Adoreei o conto, me surpreendeu ao final :D
e ainda sentii uma leve dó do coitado.
rsrs


um beeijo
e feliiz dia dos namorados !

12 de junho de 2009 12:28
biscoito20 disse...

Pô, baita história.
E mulher é bicho perigoso de se jogar, hein?! Muito boa, velho!
Quando vê apareço por aqui de novo. Até

12 de junho de 2009 12:53
Anônimo disse...

caraca...fiquei ate com pena do bandido depois...hauhauhauhauhaa

ótimo texto, amei!

12 de junho de 2009 13:12
Mitti disse...

caraca...fiquei ate com pena do bandido depois...hauhauhauhauhaa

ótimo texto, amei!

12 de junho de 2009 13:13
catherine disse...

GENIAL, GENIAL!!! Adorei
(estou de pé, aplaudindo)
www.catherinedejupiter.blogspot.com

12 de junho de 2009 13:13
O rei. disse...

adorei a historia
e torci para que os dois ficassem juntos no final
ele tentou ser Antonio Carlos mais acabou caindo no chao como Calu.

Abraço.

12 de junho de 2009 13:17
Fabricio bezerra da guia disse...

eu nem preciso dizer que não li esta postagem inteira.não só por que ela é grande.masé por que eu tô cansado de postagens romanticas por hoje

12 de junho de 2009 13:25
Blog Menu Mulher disse...

um bom texto para comemorar o dia dos namorados, que aliás também é uma armadilha.


htt://menumulher.wordpress.com

12 de junho de 2009 13:44
Ailton Sobrinho disse...

Muito interessante a forma em que este conto foi narrado. Envolvente, misterioso, e imprevisível. A cada parágrafo pistas falsas que enganarão de forma surpreendente o leitor e o personagem. Show de bola!

12 de junho de 2009 13:44
Igor disse...

tem gente que serve pra tudo, tocar,fazer bolos, cara voce serve para escrever e olha muito bem;gostei muito do conto hehehe final surpreedente daria um bom filme hehehe

12 de junho de 2009 13:46
Felipe disse...

Carambaaa!
Foi muitooo legal msm!!
Muuuito doidoo...
O final então nem se fala
Arrebentou no texto
arrasou msm

http://cerebro-musical.blogspot.com

12 de junho de 2009 13:48
Diogo Stanley disse...

ahaha mt bom o texto final inesperado

http://diogostanley.blogspot.com/

12 de junho de 2009 13:49
Carlos Eduardo disse...

Quando comecei a ler achei que já ia ser uma chatice.
Bobo de mim que vim com preconceito. Seu texto foi envolvendo.. muito bom!




http://putoanonimo.blogspot.com

12 de junho de 2009 13:50
Carlos Eduardo disse...

Obrigado pelo comentário,
mas o que você leu é parte da minha vida, não é ficção.
É o que eu tiro do meu peito.. não estou aqui para prêmios literários.
Ainda assim, muito obrigado pelo comentário.



http://putoanonimo.blogspot.com

12 de junho de 2009 13:56
keroj disse...

kkk,muito bom o final,parabéns!

12 de junho de 2009 14:03
fabriciobezerradaguia disse...

desculpe pelo comentário feito as 12 de Junho de 2009 09:25não é nada pessoal,mas é porque hoje eu tô meio abalado por causa do dia dos... por causa de hoje.
eu achei seu texto grande ,mas não precisar levar pro lado pessoal
foi mal

12 de junho de 2009 14:17
sacipirata disse...

Nossa, muito bom :D
caraca, final surpreendente hehe
mas ela fez o certo!
Abração do Saci e felicidades!!!

12 de junho de 2009 14:18
PCN disse...

Nossa, essa foi boa!
Li até o fim, achei foda! Falar das armadilhas do amor logo nessa época foi um lance de mestre...

Belo blog!

http://papeisriscados.blogspot.com/

&

http://twitter.com/PCNxD

12 de junho de 2009 14:18
Sequelanet disse...

Texto muito legal, caiu muito bem para o dia dos namorados.

12 de junho de 2009 14:32
♥MáH♥ disse...

Hahaaha.. texto super envolvente... final inesperado... Muito bom!!!

ADorei a parte: O choque faz isso com as pessoas. De condutores a passageiros de suas vidas por minutos.


=*

12 de junho de 2009 14:39
Ingrid Normando disse...

super combinou com o Dia dos namorados!!!

12 de junho de 2009 14:44
Jader Araújo disse...

Surpreendente seu conto ...
Quando olhei deu preguiça de ler, mas qdo comecei ... num deu pra parar ...

Parabéns cara!
Aberaços

Jader Araújo
PLANO B!
http://pontocriticocultural.blogspot.com/

12 de junho de 2009 14:55
Arthur Alves disse...

Surpreendente hein?! O.o
Muito bom...
rsrs


Abraços

12 de junho de 2009 15:06
Claudia Queiroz disse...

Aí irmãozinho, pra variar ARRASOU!!!

12 de junho de 2009 16:29
José Vasconcellos Dias Jr. disse...

Delicioso, simplesmente delicioso!

12 de junho de 2009 21:24
CANTORAS INTERNACIONAIS disse...

Muuuuito bom!
Final inesperado, bons diálogos... muito bom mesmo.
Eu jurava que ia rolar um... zekso ali... rsrs.

Parabéns!

12 de junho de 2009 21:27
Claudio disse...

Um conto muito bom para o dia dos namorados. Não dá mesmo para acreditar no final. rsrs
Abraço

12 de junho de 2009 21:38
Gúh! disse...

Surpreendente, essa é a palavra !

12 de junho de 2009 22:00
Kelly Christi disse...

Seu blog são para pessoas como eu que gostam de ler!!!rsrs
Mas gostei muito sobre sua visão em forma de conto sobre os dias dos namorados...foi praticamente um macunaíma romântico esse conto(sem carater rsrs), coitado do cara...

bjito

http://www.pequenosdeleites.blogspot.com

12 de junho de 2009 22:57
FILHO DO CÉU disse...

Realmente supreendente,porém um pouco longo.

Divulga seu blog aqui
http://superblogueiros.blogspot.com

13 de junho de 2009 00:08
Pobre Esponja disse...

Por ser longo, é difícil dar um comentário mais abalizado. Mas isso é uma opção do escritor, ele deve escrever o que vier na telha.

abç
Pobre esponja

13 de junho de 2009 00:20
Jaime Guimarães (Groo Veiga) disse...

Oi!

Percebi elementos de Paulo Mendes Campos e Veríssimo aqui e ali...inspira-se neles?

O desfecho do conto foi muito legal. Poético, até. Eu digo que a estrutura toda do seu texto está muito boa mesmo.

Parabéns!

abs!

13 de junho de 2009 00:39
Kelly Christi disse...

vlw, que bom q gostou dos meus textos, sao poucos aidna pq. eh novo, mas to chegando lah...

rs bj

to te seguindo e vou linkar seu blog

13 de junho de 2009 00:56
kbritovb disse...

ahaha mto legal

13 de junho de 2009 00:57
plaidy disse...

Também falando desse jeito, qualquer uma chora.

:D

13 de junho de 2009 02:09
ทuяα̲α disse...

Adorei o texto!!

13 de junho de 2009 02:11
Stephanie disse...

Adorei! Parabéns pelo blog =*

13 de junho de 2009 03:26
Martha M. disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Martha M. disse...

Muito bom, parecia ser um romance impossível.
Prendeu do começo ao fim.

Essa é uma situação que acho que nenhuma mulher gostaria de passar, se apaixonar logo por um desses...

Mas o final foi o melhor!

Parabéns. Pretendo voltar.

13 de junho de 2009 07:42
Nandah disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Gúh! disse...

já li ontem :)

Quero outro belo texto pra ler !

13 de junho de 2009 21:32
Luan disse...

Muito obrigado pelas dicas no meu blog.
Tentei entrar em contato pelo seu orkut, mesmo, mas não consegui.
Aquele negócio de "Esta m** foi escrita por...", na verdade é erro do Blogger, porque eu já tinha tirado aquilo. Outro erro foi ter colocado o nome do outro dono do blog ao inves do meu nome. Fui que que postei. O blogger tá meio tosco comigo, ultimamente. Muito obrigado por ter visitado o Roquem Rol.
E o seu blog também é muito bom. Dei uma olhada e gostei bastante

13 de junho de 2009 21:38
Cimara Nobre disse...

Aii o começo foi esquisito, mas quando foi chegando no final eu fui até simpatizando com a ideia deles ficarem juntos, rs. Mto massa! :)

13 de junho de 2009 21:47
Sweetie Renata disse...

nossa!!!
to sem palavras!!!
Adorei!!! me prendeu do começo ao fim! muito bom!!!

13 de junho de 2009 21:47
Claudio disse...

O final é show.
Gosto de finais diferentes dos comuns.

13 de junho de 2009 21:56
Clip Emoção disse...

Muito Show Texto Simplismente Legal !

13 de junho de 2009 22:05
Marcus disse...

muito bom o texto!
=]

13 de junho de 2009 22:37
Marcus disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
astronomia e conhecimento disse...

hsuahsuahushaushauhsuahsuah
daora este texto
Parabens*----*

Confira meu blog~*
http://fisica-iemano.blogspot.com/

13 de junho de 2009 22:50
Branca disse...

Tadinho.


Adorei a estória pala originalidade mas torci pra um fianl feliz e romantico.


bjo

13 de junho de 2009 22:58
sacipirata disse...

Genial, só isso :D
Já disse que sou fan, to dizendo denovo hehe
Abração do Saci :D

13 de junho de 2009 23:23
Inez disse...

Mais um belo conto, que me prendeu a leitura. O final é surpreendente.

13 de junho de 2009 23:39
PHeu* Liz disse...

MT LEGAL O TEXTO...

13 de junho de 2009 23:48
Arthur disse...

Vlw pela atenção e pelo comentario no meu blog o/ bom de mais teu blog.

13 de junho de 2009 23:49
kilder disse...

muito bacana o texto...
parabéns!!!!

14 de junho de 2009 01:51
Luiz Barbosa Neves disse...

Todo malandro tem seu dia de otário.
Ou será que é todo mundo é otário vivendo sua malandragem? Belo texto, como sempre.

14 de junho de 2009 08:30
Thaís disse...

Muitoooo bom o Textooo


Bjusss

14 de junho de 2009 11:18
Raíssa Londero disse...

Grande Blog! Nunca deixe de escrever!

Adorei de verdade! Raíssa

14 de junho de 2009 11:40
mateusbonez disse...

UAU, q texto ein. Forte e perfeito!

http://tiomah.blogspot.com/

14 de junho de 2009 12:43
Bruno Maldonado disse...

fala!
q final cara!super 10,achei muito legal e surpreendente esse final hein.
já sou seu seguidor agora!haha
gostei do seu comentário lá,rock foi ótimo.hehe
abraços!

14 de junho de 2009 16:09
Canto do Lufa disse...

Essa menina também é carente ao extremo

14 de junho de 2009 18:06
Pobre Esponja disse...

Legal o texto, e quantos comentários hein?

abç
Pobre Esponja

14 de junho de 2009 18:07
Eliane Furtado disse...

Meu amigo, nem me fale em amor e armadilhas.
O amor sempre é uma armadilha.
Tema quente para nosso debate.
Espero lhe ver breve!

14 de junho de 2009 18:22
Patrícia disse...

Seus contos são the best!
Bjss!

14 de junho de 2009 19:18
Thalita disse...

muito legal a historia...
a musiqnha da operadora era xamada a cobrar....:D

http://www.thalita-gloss.blogspot.com/

14 de junho de 2009 19:26
Prole da urbe disse...

me impressionou o fato do excluído social ter conversado horas no telefone! foi uma verdadeira façanha!

14 de junho de 2009 19:29
alexandre hahn disse...

Final legal, os melhores filmes são assim, com um final surpreendente

14 de junho de 2009 19:59
Prole da urbe disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Prole da urbe disse...

compreendi perfeitamente o interesse da mulher em prolongar a conversa, mas você deve anuir, que é um fato impressionante um desequilibrado (fazendo um esteriótipo) comentar sua vida como se fosse uma mulher apaixonada...
mas deixa isso pra lá, o autor dá a personalidade que desejar...
abraços

http://proledaurbe.blogspot.com/

14 de junho de 2009 20:08
Keyla disse...

Tô lendo aos pouquinhos mas seu blog é ótimo. O último post me fez lembrar de mim mesma. Bjos

14 de junho de 2009 20:27
Pitty disse...

tou seguindo o seu conselho e lendo os mai de 30 posts.... que são realmente ótimos!


http://nosdoisenossocao.blogspot.com/

14 de junho de 2009 20:46
Euzer Lopes disse...

hummmmmmmmmm.
Se é essa a chamada Síndrome de Estocolmo (quando a vítima se apaixona pelo seu algoz), certamente o bandido se deu mal.

14 de junho de 2009 20:47
Vivica Bolacha disse...

HAHAHAHAHAHAHAHA Bem filho pro fdp!
Sou fã dessa Luciana!!!!

Final arrasador! Amei!

Beijos

14 de junho de 2009 21:09
Rogerio disse...

o texto nos prende...muito bom...e fala algo que realmente acontece..o amor e uam armadilha e sempre acaimos nela...

14 de junho de 2009 21:19
E r i k α l i c i o u s disse...

Nossa, legal a história!
haha, bem feito pro bandido né!

14 de junho de 2009 21:29
Cativa Google disse...

Isso acontece no meu dia a dia.

14 de junho de 2009 23:25
lorena disse...

fez muito bem dona luciana. o cara ia se emendar assim do dia pra noite, é ruim ein,

além do que deu o tom de fantastico e inusitado que tem de ter no conto neh.

muito bom.

=]

14 de junho de 2009 23:28
Bruno disse...

ok, agora a modinha é blogar...e todo blogueiro se acha sempre agora ou "escritor" ou "filosofo" sei la, enfim...tentei ler, mas acho que dormi na quinta linha.

layout ruim , postagem cansativa...enfim, você é só mais um fucking poser de merda que sem ter oq fazer resolver criar um blog e ficar e " mimimi eu sou inteligente meshupem "

boa sorte ai (Y)

14 de junho de 2009 23:36
lorena disse...

é uma sátira meu bom.

jah fui jornalista, não sou mais,admiro a profissão, tem os seus pros e contra como todas. qnd passei a ter mais irritação do q coisas agradaveis, saltei fora.

o melhor q pude fazer.

14 de junho de 2009 23:48
orquiza disse...

na boa isso e um blog emo ?? que blog mais mongol --'

14 de junho de 2009 23:58
Danilo Moreira disse...

KKKKKK!!! Cismado do jeito que eu sou, já imaginava q pra um lado essa história nao ia terminar bem!!!!

Abçs!!!

Agora, convido vc a Delirar comigo...

http://blogpontotres.blogspot.com/

15 de junho de 2009 00:02
Lara Sousa disse...

Caramba, eu li a história e achei ela maluc, por dá bandeira pra um bandido, e pensei q no final ele fosse da o bote nela, e ela que fosse besta, ams eplo que vi, ela sabia muito bem o que estava fazendo e se deu bem no final;
aaaduadshuadshuhads

beeijos

15 de junho de 2009 00:21
Flávia disse...

Ain, que filha da mãe!
Tudo bem que ele foi ruim no começo, mas não dizem que todos tem direito a uma segunda chance?
Ele quis voltar atrás, ele queria ser melhor, ele acreditou nela. E ela o pegou da pior forma possível.

Adorei! É meio um "ACORDA" para muitos por aí. A maior parte das coisas não são do jeito que vemos ou queremos ver, essa é a verdade...
Um beijo!

http://verdesconfissoes.blogspot.com

15 de junho de 2009 00:51
Arthur Lisboa disse...

não vale, eu até já tinha começado a gostar do ladrão [??]

auiahuiah

po cara, não esperava esse final não viu? na verdade nem cogitava um relacionamento desse tipo rs...
mto bom! parabéns!

15 de junho de 2009 01:13
Rodrigo Luz disse...

excelente!

confesso que a primeira vista não tive vontade de ler, ia só da uma passada de olhos, mas comecei a ler e fui gostando.Seus textos prendem o leitor. E esse final foi demais.
Foi brusco e sutil ao mesmo tempo.

http://debaixodocogumelo.blogspot.com/
FiLoSoFiA SuRReAliSta dE BotEQuIm

15 de junho de 2009 01:25
Rafael - Top 5 disse...

Realmente fantástico, hahaha. Só não me pegou de surpresa porque eu sempre fico torcendo pra tudo dar errado no final e acabar surpreendendo muita gente.

Muito bem escrito o texto. Se eu tivesse mais tempo pra acompanhar mais um blog, o seu estaria na lista. Continue o bom trabalho!

15 de junho de 2009 01:26
Adriano Viana disse...

Prabéns pelo texo, muito criativo!!
Sucesso!!

15 de junho de 2009 01:47
Danio Cruz disse...

HUhauhuaua que história inusitada. Gostei!

15 de junho de 2009 19:32
Eduardo disse...

Caramba, isso é que é usar as palavras cara, parabéns pelo sucesso no Blog e continue assim!

15 de junho de 2009 19:33
War Inside My Head disse...

Gostei bastante, mas acho que deveria mudar a Template...fora isso o blog é bem bacana...
http://yaseryusuf.blogspot.com/

15 de junho de 2009 19:37
The Lorean disse...

nussa.. confesso q nao li tudo!
mas a historia e boa
aehueahuea

flw

15 de junho de 2009 19:47
Débora Borsatti disse...

Muito bom...final surpreendente...eu também já estava começando a gostar do ladrão...
ótimo blog!

15 de junho de 2009 19:52
Lailah disse...

Não conhecia o blog, muito legal o conto.
Coitado do ladrão HAUAHUAHUAHUA
Gostei do post, parabéns!
visita o meu depois: www.casadefilme.blogspot.com

15 de junho de 2009 20:10
TAIS MOREIRA disse...

Carácoles!!! Que coisa mais doida!!hehehehe
Eu fiquei com raiva dele, no começo, se fosse comigo, eu teria mandado ele para aquele lugar, já, e já era!!hehehehe
Mas, depois, eu me surpreendi com o final!!^^
E valeu por mostrar meu blog pro seu amigo, que bom que ele gostou!! Eu tb estou muito entusiasmada com a Natação, e pretendo competir em breve!^^
Beijos

15 de junho de 2009 20:52
luis bueno disse...

Muito..muito bom! Não tenho vontade de visitar blogs, até sendo grosso em comunidades que pedem pra se comentar e ser comentado, mas é que não encontro paciência para ler bobagens...mas o seu, li até o fim. Parabéns!

http://carlosbueno.zip.net/

15 de junho de 2009 21:04
Rha Belloti disse...

Nossa, que surpreendente! Todas as mulheres deviam ser assim como Luciana e sofreriam muito menos! Amei o texto, longo mas me prendeu todo o tmepo e ainda deixou o gostinho de satisfação no final.

Amei o comentário no meu blog, principalmente sobre a crítica dos textos curtos. Na verdade quando desenvolvi aquele texto pra escola ele era imenso, mas na hora de postar encurtei com medo de ficar cansativo demais. Valeu pelo comentário!

15 de junho de 2009 21:07
Fê, disse...

simpelsmente lindo texto..
eu amei ;)

pois é,foi groço no início..mas como já disseram: nada é como a gente quer.


PARABÉNS PELO TEXTO.SUCESSO.

15 de junho de 2009 21:08
Krids CineTv disse...

Final inexperado!!
HAUhAUhuAHAU

Gostei! =D

http://krids-cinetv.blogspot.com

15 de junho de 2009 21:12
Walter Miquelanti Junior disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Tolerância Zero disse...

cara muito foda o conto..vc descreve a cena como ninguem..da pra ver claramente ela........ parabens..muito foda.. e o cara se lascou..hauhau

16 de junho de 2009 10:42
Flá Romani... disse...

Ótimo blog, parabénssssssssssssssss

16 de junho de 2009 10:43
ganésinho disse...

Palmas, clap clap hahaha
muito bem escrito rapaz, me prendeu do começo ao fim.

16 de junho de 2009 10:48
Zone Core disse...

muito bom o texto.

Cheguei a pensar que no final ela ia ficar com ele...

Mas foi um final supreendente. O texto ficou muito bem escrito. Show de bola... O amor é mesmo uma armadilha...

16 de junho de 2009 10:49
Andy Lima disse...

Nossa, sinceramente surpreendente, e bem real, da até uma dorzinha no peito no final!
muito bom
ótimo seu blog, vou até segui-lo!

16 de junho de 2009 10:54
Anônimo disse...

Ele é meio maluco mas também não esperava que o final fosse assim, tomou um rumo meio estranho mas histórias são assim mesmo.

Desde o post "A Unidos dos Dois na Sala." que sou fã do seu blog


BLOGdoRUBINHO
www.blogdorubinho.cjb.net

16 de junho de 2009 11:13
Isis disse...

Adorei seu conto, vi seu blog no orkut. Vou colocar no meus favoritos e tá sempre de olho, adoro ler. Tenho um blog sobre livros, dá uma passadinha por lá.
Grande abraço

Blog Felicidade nos livros: isis-silva.zip.net

16 de junho de 2009 12:01
melke disse...

Ei.. os textos do meu blog são todos meus sim.
Você quer me dar aulas de redaçao?? kkkk
Acho muito legal vc falar onde devo melhorar!!
Obrigada

16 de junho de 2009 12:19
Rosangela A. Santos disse...

Olha eu de novo apreciando e me divertidno com o seu blog ..

ADORO!! rsrs

AAbç.

16 de junho de 2009 12:32
Isis disse...

Oi Marton, obg por ter passado pelo meu blog, e adorei seu questionamento sobre autores nacionais, devo confessar q não leio muito livros nacionais, até por falta de indicação mesmo, se vc tiver alguns p me indicar eu adoraria ler e fazer o comentário lá no blog...
Grande abraço
Isis

16 de junho de 2009 12:33
Felipe Santos e Camila Alvarez disse...

as pessoas gostam mais daqules que fazem algo errado...
ser certinho é chato...mané

rsrs

o ser-humano tem atração pelo mocinho-bandido
o ladrão honesto ou seja lá cmo quiser chamar

gostei muito do conto

abraços

http://surfinsantoss.blogspot.com/

16 de junho de 2009 12:55
Móó legal disse...

putz. muito longo prum conto, muito curto pruma narrativa mais bem elaborada...
num sei achei meio esquisito.
=/

--
www.moolegal.wordpress.com

16 de junho de 2009 13:01
Breno Bastos disse...

Em termos de conto, nunca esqueço de Brokeback Mountain.

16 de junho de 2009 13:06
jaka disse...

melembrou do assalto q ocorreu num onibus aqui no rio, o cara nao quis entregar a mochila e tomou um tiro na cabeça e ficou agonizando, e nao acreditando que acabara de tomar um balaço na tempora, e em poucas horas morrera, os assaltantes nem olharam pra tras....

16 de junho de 2009 13:30
Kallynka disse...

Muito legal o texto!!Parabéns pelo seu blog!!!

http://muitopelo.blogspot.com/
http://kallynka.wordpress.com/

16 de junho de 2009 13:42
The Lorean disse...

opaaa

eu ja tinha comentado aki!
mas to de novo!

mto bons textos
t+

16 de junho de 2009 13:58
angelica disse...

Mulheres adoram essa mistura de masculinidade e cafajestice...alimenta o desejo.

Mas o final foi ótimo...até eu me senti vingada !
Parabéns !

bjkas,

Ana Angélica

17 de junho de 2009 16:45
Raaah ;) disse...

CARA ! VOCE É MARAA!
COMO ASSIIM!

18 de junho de 2009 22:01
Raaah ;) disse...

ahaushua, eu disse que voce é MARA,que tu escreve muito beeem.
COMO ASSIM? que absurdo!
Adorei tudo :)
Beijos broto, e essa piada é o auge do mara.

19 de junho de 2009 17:21
J. C. David disse...

é, que coisa não..

20 de junho de 2009 11:58
Anônimo disse...

Nossa texto perfeito gostei muito, legal, um final meio inesperado por mim mas tudo bem histórias são assim.

BLOGdoRUBINHO
www.blogdorubinho.cjb.net

21 de junho de 2009 14:34
danisiinha disse...

aplausos de pé .... pra esse texto encantador ..! armadilhas , algozes e vitimas que se confudem e atraem ..perfeito! amei....

21 de junho de 2009 15:07
Canto do Lufa disse...

acho que já tinha lido o texto

gostei tanto que reli senti e vivi
a aflição, agonia da menina luciana


parabens

21 de junho de 2009 16:40
Felix disse...

OMFGPQP! Tu escreve bem e ainda tem uma p*t# criatividade! Gostei dos seus textos - esse especialmente é incrível!

22 de junho de 2009 00:11
Wander Veroni disse...

Que bacana esse texto! Vc escreve muito bem ,parabéns! E pensar que tudo começou por um telefonema.

Abraço

22 de junho de 2009 18:47
Agda C. Santos disse...

Me surpreendi com o final. ;O

22 de junho de 2009 19:57
Clecia Nunes disse...

Mto bom mesmo... divertido...

O final foi foda heim?!...
rs

25 de junho de 2009 18:38
Pr. Cláudio Moreira disse...

Todos os bons segredos de uma boa crônica:

Uma cena cotidiana, um fato aparentemente prosaico, uma evolução instigante e um desenlace surpreendente.

Parabéns!

Quando desejar, acesse:

http://sementesdevitoria.blogspot.com/

25 de junho de 2009 21:14
Angel disse...

Nossa...mais um ótimo texto, parabéns e surpreendente o final...

27 de junho de 2009 14:02
30 e poucos anos. disse...

Troxa ... caiu no conto da mocinha !!!

3 de julho de 2009 11:00
Saulo Lopes disse...

Gostei do final, muito bom o texto.


Visite-me se o meu e fique a vontade para comentar :)

http://saulolopes.blogspot.com

Abraço

5 de julho de 2009 13:51
Mau disse...

Eu já estava imaginando um desfecho diferente para a história: um caso de síndrome de Estocolmo, uma princesa de bandido da favela... Mas depois eu ri, imaginando a cara do camarada, com raiva e decepcionado com a vida. Essa Luciana está contribuindo para revoltar ainda mais um coitado que não teve oportunidade na vida, nem o carinho dos pais, por isso rouba para viver!rs... Adorei, viu?

10 de julho de 2009 00:52
Monique Canela disse...

Seus textos roubam a atenção de qualquer um! rs Genial!abs.

8 de fevereiro de 2011 14:03
Renata disse...

A-d-o-r-e-i!!!

Estava começando a imaginar os braços fortes do mulato...rsrsrs

Texto genial, parabéns.

21 de abril de 2011 18:24
JOYCE disse...

Acho interessante como você passeia nos dois universos (feminino e masculino). Final surpreendente.
Bjs.

19 de fevereiro de 2012 17:00

Marcadores

3G (1) A Fábula do Pé Sujo (1) A Fábula do Pé Sujo. (1) A Lápide (1) A Tal da Portabilidade (1) A Unidos dos Dois na Sala (1) A Virada do Ano (1) aeromoça (1) aladin (1) Amor a primeira vista (2) amores impossíveis (1) ano novo (1) Arrumação (Em Cadeados) (1) As Cores Dela nas Paredes da Cabeça Dele (1) As Sereias da Estante (1) Assalto (1) assassinato (1) Até que a morte nos separe. (2) avião (1) Bacon (1) barrinha e cereal (1) Bonecas (2) Cabeça (1) cachorro (1) Cadê Deni”zs”e? (1) Caixa Preta (1) caos aéreo (1) carros (1) casa de malucos (1) cereser (1) Céu de Cereal (1) circo (1) Com Deus Só a Vista. (1) concurso (1) construir (1) conto (17) Conto de amor (1) Contos do Rio (4) Copa do Mundo (1) Copacabana (1) Coração Roubado (1) Cortazar (1) cronica (1) Crônica (1) Crônicas (1) desejo (1) Dia de Mãe (1) Dia dos Namorados (2) ditos (1) Do Frio e Branco Azulejo (1) Do Ponto de Vista da Inveja (2) Dos seus saltos (1) Encontros (1) engarrafamento (1) Engolir Palavras (1) espumante (1) Existe Vida após a Morte. (1) fantasia (1) farol (1) Fred (1) Fundo do Poço (1) gênio (1) Ginger (1) Hamburguer (1) humor (6) Idéias (1) Kama $utra (1) lâmpada (1) linchamento (1) luz no fim do túnel (1) Mãe (1) Mãe e Filha (1) manicômio (1) Maradona (1) Marias Chuteiras (1) Me acertou em cheiro (1) menage (1) Mentirinha (1) Mil e uma noites (1) Moleque de Rua (1) Musical (1) O Buraco (1) O Cão de olhos com brilho de diamantes (1) O Engolidor de Palavras (2) O Gênio Ombudsman (2) O Globo (1) O Homem que Não Queria Ir a Copa do Mundo (1) O Que Não é Mais Gente (1) O T da Questão (1) O Último Dia (1) obra (1) Obras (1) orelhão (1) Os cílios postiços dos postes da avenida (1) pão doce (1) Passatempo (1) Pensamento (1) pião (1) poema (7) poesia (6) Portabilidade (2) prosa (1) Quando Ela Perguntou a Ele se estava caindo (1) revertere ad locum tuum (1) rosquinha (1) Saindo do armário (2) Sobre a última Estação. poesia (1) soco (1) sonha-me (1) suruba (1) swing (1) Técnico de Futebol (1) tecnologia (1) Teu Esmalte (1) Teu jogo (1) Top Blog (1) Traição (1) troca de casal (1) trocando de mulher (1) Ursula Andrews (1) Vida (2) vida de cão (1) Vida de Operário (1) Vida. (1) Vingança na carne (1) violência (1)